O Bayer Leverkusen complicou sua própria vida neste sábado (20). Com a derrota por 2 a 0 para o Hertha Berlim, com golaço de Matheus Cunha, a equipe de Peter Bosz caiu para a quinta colocação e agora vê a classificação para a Champions League da próxima temporada em risco. Com o triunfo do Borussia Mönchengladbach por 3 a 1 sobre o Paderborn, as duas equipes agora disputam a última vaga à principal competição de clubes do mundo na rodada final da Bundesliga.

Não faltou criação ofensiva para o Bayer Leverkusen. Com o trio Bailey, Havertz e Diaby em uma linha atrás de Volland, o trabalho no terço final foi positivo, faltando maior capricho na finalização. Caindo pela direita, Havertz fez boa jogada e tocou de calcanhar para Diaby. O francês cruzou para o meio da área, e Volland finalizou com perigo, rente à trave esquerda.

Mais tarde, Bailey desceu pela esquerda, cruzou, Volland errou a finalização, e, na sobra, Havertz mandou de bicicleta, mas em cima do goleiro Jarstein, que não teve dificuldades para defender.

A resposta do Hertha teve a eficácia que faltou ao adversário. Em excelente trama ofensiva aos 22 minutos do primeiro tempo, em sua primeira boa chance no jogo, os anfitriões abriram o placar com um golaço de Matheus Cunha, no ângulo direito superior, completando jogada com participação essencial de Darida, no início, pela ponta direita, e assistência de Lukebakio.

Ainda no primeiro tempo, encorajado pelo gol, o Hertha criou outra grande chance com Cunha, mas o brasileiro parou em Hradecky.

Em sua melhor oportunidade de marcar, já na segunda etapa, o Leverkusen não passou do quase. Após bola lançada, Baumgartlinger saiu para dividir com Jarstein, encobriu o goleiro com um toque de cabeça, mas Torunarigha apareceu para evitar o gol no último instante, se atirando à bola.

Não demorou muito depois do intervalo para que o Hertha ampliasse. Aos nove minutos, Matheus Cunha avançou pela ponta esquerda, tocou para Piatek, e o polonês fez fila na defesa do Leverkusen, driblando até o goleiro Hradecky. Pressionado pela marcação, o atacante viu Lukebakio se aproximar e, em cima da linha, completar para o gol, garantindo que nada desse errado.

Sem Thuram e Pléa? Sem problemas!

Mesmo novamente desfalcado de seus principais jogadores de ataque, os franceses Marcus Thuram e Alassane Pléa, lesionados, o Borussia Mönchengladbach fez o serviço bem feito para despachar o Paderborn, fora de casa. Já aos três minutos de jogo, Hermann pegou rebote de chute de Breel Embolo e abriu o placar para os visitantes.

Com ótimo volume de jogo, o Mönchengladbach poderia ter ampliado a vantagem ainda no primeiro tempo, mas Stindl e Embolo perderam suas melhores oportunidades por alguns centímetros. Os visitantes também tiveram melhor início de segundo tempo, mas o Paderborn é que marcou primeiro na etapa complementar. Aos oito minutos, Sven Michel recebeu passe de Srbeny e, da entrada da área, bateu rasteiro para empatar.

A resposta do Mönchengladbach foi quase imediata. Aos nove minutos, Stindl sofreu pênalti e o converteu para colocar novamente a equipe à frente no placar. Mantendo o domínio, os visitantes seguiram criando chances de gol até que Stindl, de novo ele, apareceu no meio da área após cruzamento desviado por Bensebaini para fechar o placar em 3 a 1, aos 28 do segundo tempo.

Com os resultados, o Borussia Mönchengladbach é agora o quarto colocado, com 62 pontos. O Bayer Leverkusen, por sua vez, estacionou nos 60 pontos e caiu para a quinta colocação. Com isso, o Mönchengladbach agora depende apenas de si para se classificar para a Champions League da próxima temporada. Com dois pontos de vantagem sobre o Leverkusen e 25 gols a 16 de saldo, um empate seria suficiente, a menos que tivéssemos duas goleadas improváveis na rodada final. O Mönchengladbach enfrenta justamente o Hertha no próximo final de semana, enquanto o Leverkusen recebe o Mainz.