A primeira temporada de Kaká na MLS tem sido um enorme sucesso. O jogador foi para o Orlando City com altas expectativas do público. O melhor do mundo de 2007 tem mostrado consistentemente que é um jogador que faz muita diferença na liga. Não por acaso, foi votado pelos torcedores para não só estar no All-Star Game da MLS, mas para ser o capitão do time. E ele foi o destaque da vitória sobre o Tottenham por 2 a 1, participando dos dois gols.

LEIA MAIS: Campeonato por campeonato, canal por canal: veja quem passa o que na TV brasileira

Houve um momento que o All-Star Game da MLS contra os times europeus eram uma barbada. Este tempo passou. O Tottenham não está entre os times mais fortes da Europa. Talvez não esteja nem entre os mais fortes da Inglaterra atualmente. Estando em pré-temporada, mais ainda. Com Kaká e Villa, o time da MLS teve uma escalação forte. Nick Rimando, do Real Salt Lake, fez uma boa partida e impediu por duas vezes o atacante Harry Kane de marcar.

Na zaga, Omar Gonzalez e Matt Besler, dois jogadores da seleção americana. Nas laterais, também dois jogadores de seleção americana, Tony Beltran, que e DaMarcus Beasley, este último titular na Copa Ouro. No meio-campo, Dax McCarty, do New York Red Bulls, ao lado de Graham Zusi, mais um jogador de seleção americana e que tem se destacado nas últimas temporadas. Na parte ofensiva, Kaká, Gyasi Zardes, do Los Angeles Galaxy, convocado por Klinsmann para a Copa Ouro, Clint Dempsey, do Seattle Sounders e estrelas da seleção americana, e David Villa, do New York City.

Com a escalação forte e embalado pela festa – além da diferença física entre os times, já que a MLS está no meio da temporada -, o time da MLS conseguiu marcar 2 a 0 rapidamente. Aos 20 minutos, Nacer Chadli colocou a mão na bola depois de um escanteio. O próprio Kaká marcou batendo o pênalti. Depois, Zarzas fez a jogada pela esquerda, cruzou rasteiro, a bola passou por Dempsey e sobrou para Kaká. O brasileiro chutou cruzado para dentro da área e David Villa desviou para a rede. Harry Kane descontaria em jogada individual aos 37 minutos, em um chute de fora da área.

O jogo foi no estilo de pré-temporada, com substituições a rodo – os dois times trocaram todos os 11 jogadores que iniciaram a partida, o que descaracterizou a partida. O placar ficou inalterado. Kaqká acabou escolhido como o jogador da partida. “Eu não esperava marcar, dar uma assistência e ser o MVP”, afirmou Kaká. “Eu acho que todo mundo está feliz porque amanhã o mundo do futebol irá falar sobre o time All-Star da MLS tendo vencido um time europeu muito bom”, declarou ainda o jogador.

O técnico do All-Star da MLS, Pablo Mastroeni – que é do Colorado Rapids -, encheu Kaká de elogios. “Ele exemplifica o tipo de ser humano que é preciso para ser grande”, ele declarou na coletiva de imprensa, depois do jogo. “Para mim, é fantástico estar perto dele, a maneira como ele se portou, o modo que ele responde cada pergunta que todo mundo faz a ele, o modo como ele autografa cada camisa, papel, o que for. É um ser humano extraordinário. É um privilégio de verdade”, declarou ainda o treinador.

Aos 33 anos, Kaká tem 20 jogos pelo Orlando City na temporada, nove gols marcados e três assistências. Tem ajudado a fazer a diferença pelo time da Flórida, que tenta chegar aos playoffs. Pelo que tinha rendido no São Paulo em 2014, não é nenhuma surpresa que esteja rendendo bem. Resta saber até onde ele será capaz de levar o Orlando City.

Veja os melhores momentos do jogo: