Gerrard revela ter jogado no sacrifício na escorregada contra Chelsea e diz: “Foi pura falta de sorte”

A carreira de Steven Gerrard foi recheada de glórias. Se tornou um dos maiores ídolos da história do Liverpool, um clube enorme, cheio de tradição, história e títulos. Foi capitão de alguns dessas conquistas, incluindo a maior delas: a Champions League de 2004/05. Um título, porém, ficou faltando: a Premier League. E parecia que esse título poderia vir na temporada 2013/14, quando o time caminhava bem e liderava.

LEIA TAMBÉM: A Premier League tem nova liderança: Susanna Dinnage será a chefe-executiva da liga a partir de 2019

Era abril de 2014 e o Liverpool vinha em uma ascensão enorme, com 11 vitórias consecutivas. Foi quando o Liverpool, em Anfield tropeçou. Aliás, escorregou. O lance ficou famoso. Gerrard, capitão e ídolo do time, escorrega, Demba Ba toma a bola, avança no fim do primeiro tempo e marca 1 a 0 para o Chelsea. Willian, no fim do jogo, marcou o segundo gol, que selou a derrota dos Reds. Com isso, o Manchester City assumiu a liderança e a manteve até o final, ficando com o título.

Atualmente, Gerrard é técnico do Rangers e falou em entrevista ao Daily Mail sobre o episódio que certamente causou muita frustração. Foi revelado que o então camisa 8 provavelmente nem deveria estar em campo. Ele recebeu uma injeção epidural para dor nas costas, o que poderia, talvez até deveria, ter deixado o capitão fora do jogo. Jogar no sacrifício é algo comum no esporte de alto rendimento.

“Não pensem que é uma desculpa. O que aconteceu foi pura falta de sorte, mas quando você faz um livro ou um filme, especialmente com pessoas que ganharam Oscars e fizeram filmes como Amy e Senna, você tem que ser o mais honesto e aberto que você puder”, disse o ex-jogador e atual técnico ao Daily Mail. O filme citado por Gerrard chama-se Make Us Dream (“Nos faça sonhar”), é um filme biográfico da sua vida e que estreia no Reino Unido na quinta-feira

“Olhando para trás, eu não escondi isso bem, escondi?”, disse Gerrard, sorrindo. “Mas esse sou eu. Você podia ver o puro êxtase quando eu estava no topo do sonho. Mas e os momentos baixos? Eu não sou alguém que me poderia fazer cara de poker. Eu nunca fui de fazer isso”, contou Gerrard.

Pensando no futuro, Gerrard quer, como todo grande ex-jogador que foi vitorioso, repetir o sucesso comandando um time. “Eu quero ganhar um troféu – atingir algo especial. Então, eu gostaria de voltar a isso [ganhar títulos], eu não posso responder por isso, não no momento. Eu espero ter a chance de tentar isso um dia”, afirmou o treinador.