O Real Madrid foi superior ao Grêmio em quase todos os setores na final do Mundial de Clubes, neste sábado, menos um. A zaga brasileira, com Marcelo Grohe na retaguarda, teve uma atuação excelente, em parte responsável pelo placar não ter sido mais amplo do que foi. Destacou-se especialmente Geromel, um colosso de 1,90 metros, fechando espaços, desarmando adversários, cortando bolas, estando em todos os lugares.

LEIA MAIS: Real Madrid confirmou na bola sua superioridade ao Grêmio para ser campeão mundial

As atuações de Geromel, Kannemann e Grohe foram os únicos motivos que deram à decisão uma aparência enganosa de equilíbrio. O Real Madrid finalizou 20 vezes, sete corretas, contra um único chute para fora do Grêmio, com Edílson, de muito longe. Se técnica e taticamente os brasileiros sempre estiveram longe do Real Madrid, o placar ficou próximo durante os 90 minutos, à espera de uma jogada espetacular do ataque gremista ou um erro da defesa espanhola, que nunca vieram.

Geromel liderou o setor com quatro desarmes, 11 rebatidas e um bloqueio. E que bloqueio. Carvajal pegou o rebote de um corte do zagueiro do Grêmio e emendou um chute cruzado que tinha endereço certo. Geromel impediu que a bola entrasse. Kannemann, com três roubadas de bola e seis rebatidas, também foi muito sólido ao longo dos 90 minutos e contribuiu para que Grohe não tivesse que trabalhar tanto. Um desses desarmes foi providencial, na hora que Cristiano Ronaldo bateria para o gol.

Mas, quando precisou, Grohe estava presente. Fez duas ótimas defesas no segundo tempo, ambas em chutes cruzados. Modric bateu com veneno, e o goleiro do Grêmio conseguiu empurrar a bola para a trave. Em seguida, impediu que Cristiano Ronaldo marcasse, em lance muito parecido. E ainda espalmou por cima do travessão o que seria um golaço de Bale.

O sistema defensivo como um todo do Grêmio, que envolve cada jogador em campo, não foi seguro o bastante. Permitiu espaços demais para o Real Madrid, principalmente no meio-campo, e concedeu 20 finalizações, número elevado para um final. Mas, individualmente, Geromel, Kannemann e Grohe fizeram tudo que poderiam para dar ao seu time uma chance de sair vitorioso de Abu Dhabi. Infelizmente para eles, a chance não foi bem aproveitada.

.

.