O Milan estreará no Campeonato Italiano neste fim de semana, no sábado, às 15h30 contra o Napoli, fora de casa. O primeiro jogo, contra o Genoa, foi adiado devido à tragédia em Gênova, que adiou os jogos dos dois times da cidade. O Milan fez muitas contratações e o treinador se disse satisfeito. Elogiou Gonzalo Higuaín, mas disse que o time precisa ser bom coletivamente e não depender apenas do atacante argentino.

LEIA TAMBÉM: Kaká: “O Milan seguiu o caminho certo e redescobriu o seu DNA com a nova diretoria”

Curiosamente, Higuaín irá estrear com a camisa rubro-negra do Milan contra o Napoli, ex-clube do atacante. Seu recorde na Itália é respeitável. A temporada passada foi a sua pior na Itália, com 23 gols em 50 jogos (16 gols em 35 jogos da Serie A). Na anterior, 32 gols em 55 jogos (24 na Serie A); em 2015/16, a temporada do recorde: 38 gols em 42 jogos, sendo 36 na Serie A, maior número alcançado por um jogador. É um artilheiro acostumado à Serie A e que tenta se recuperar aos 30 anos.

“Não venceremos jogos apenas por termos Higuaín. Nós temos que trabalhar o coletivo, mesmo que ele seja um dos 10 melhores centroavantes do mundo. É necessário jogar como um time, não sofrer um gol e depois se virar a Higuaín”, afirmou Gattuso. “Depois disso, depende em como a temporada avance. Veja André Silva: ele nos pediu para sair, mesmo que o clube e eu quiséssemos que ele ficasse”.

“Vamos esperar que o mesmo não aconteça com Higuaín. É uma temporada com muitos jogos, mas também pode ser muito positiva: o objetivo é construir a partir do que fizemos na temporada passada e nos classificar para a Champions League”, disse o treinador. “Eu quero ver a personalidade contra o Napoli e que nós nunca nos desligamos. Eu falo com Leo [Leonardo, diretor] duas ou três vezes por dia, enquanto eu vejo Paolo [Maldini] aqui. Há sinceridade e respeito, um toque que traz ar novo e adrenalina para o clube. Eu vejo o time motivado e isso me faz me sentir bem”.

Caldara e Bakayoko

“Caldara vem de um tipo totalmente diferente de futebol, mas ele tem muito desejo e boa mentalidade, ele está trabalhando duro e não terá problemas. Ele é um nível acima dos outros”, afirmou o técnico sobre o zagueiro. “Bakayoko? Eu pensei que ele era mais lento do que ele de fato é, mas ele me impressionou com o seu dinamismo”, descreveu. “Ele tem que melhorar, mas tecnicamente ele também pode ter sua vez”.

Reina e Donnaruma

“Eles serão divididos entre as competições, que é a causa que Gigio pode ser o melhor do mundo. Ele deve assistir Pepe para ver como ele exerce a posição, como ele é dentro e fora do campo. Ele já parece um goleiro diferente. Ele é incrivelmente sortudo. Agora, cabe a ele: tudo que ele precisa fazer é copiar Reina”, disse Gattuso.

Napoli e Ancelotti

“Para mim, ele é mais que um técnico. Há algo que foi além do relacionamento entre jogador e técnico. Eu ligava para ele em tempos de dificuldade. Eu tenho que comer mais massa para chegar ao seu nível… Será difícil em Nápoles, mas nós iremos fazer o nosso melhor para trazer alguns pontos para casa”, disse Gattuso.

“Esse Napoli ainda parece o de Sarri. Ancelotti colocou a sua marca neles, mas ainda há muito para ele fazer. Ninguém, nem aqueles que não jogam, podem falar mal dele. Ele foi coerente e ele mantém o coração na mão. Ele nunca mentiu, ele foi um maestro e nós demos um salto de qualidade com ele”, elogiou ainda o ex-jogador. “Nós podemos ser mais fortes que na última temporada, mas nós precisamos de tempo”.

Milan x Napoli
Sábado, 15h30
RAI, Serie A Pass

LEIA MAIS: Sem acordo com emissoras de TV, Campeonato Italiano lança serviço pago por streaming na internet