Todo mundo se lembra de Gennaro Gattuso como jogador do Milan. O ex-volante gritava com os companheiros e esbravejava com os adversários com a mesma intensidade com a qual defendia o meio-campo. E dava algumas pancadas. Agora, imagina como treinador? Após dois jogos no comando do Palermo, parece que ele continua o mesmo.

Aos 22 minutos do segundo tempo da terceira rodada da Copa Itália contra o Hellas Verona, Gattuso foi exageradamente enfático ao reclamar de um pênalti não marcado pelo árbitro Marco Guida, após um toque de mão do meia Simon Laner. O campeão mundial de 2006 pela Itália saiu do gramado do estádio Renzo Barbera aplaudido pela torcida.

O Palermo acabou perdendo por 1 a 0, gol do atacante Luca Toni, outro que participou do tetracampeonato italiano na Alemanha. A estreia de Gattuso havia sido na vitória por 2 a 1 contra a Cremonese, na rodada anterior da Copa Itália.

É a segunda experiência de Gattuso com a prancheta. Praticamente. Assumiu o Sion como jogador-técnico em fevereiro, no lugar do espanhol Victor Muñoz, mas foi demitido, o que não quer dizer muita coisa no clube suíço, que havia se livrado de quatro treinadores antes dele na mesma temporada. Ele conseguiu apenas 10 pontos em 11 rodadas.