Gattuso é a nova vítima de Maurizio Zamparini

Ex-volante é o 28º treinador demitido pelo presidente do Palermo desde que assumiu o cargo, em 2002

Se você pensa que só treinadores do futebol brasileiro sofrem com instabilidade em seus cargos, certamente nunca ouviu falar do presidente do Palermo, Maurizio Zamparini. Desde que assumiu o clube siciliano em 2002, o mandatário já havia mandado embora 27 comandantes, e a mais nova vítima do “devorador de técnicos”, como é conhecido na Itália, foi Gennaro Gattuso, ex-jogador do Milan e da seleção italiana.

A campanha do ex-volante valentão como comandante dos rosaneri nem estava assim tão ruim: em seis partidas na Série B italiana, havia vencido as duas primeiras, empatado as duas seguintes e sido derrotado nos dois últimos confrontos – o suficiente para que Zamparini julgasse sua demissão como a melhor saída.

A curta experiência de Gattuso como treinador foi a principal justificativa do presidente para a saída do treinador. Mas é muito mais provável que o temperamento descontrolado de Zamparini seja o grande motivo. Histórico é o que não falta para indicar isso. Um dos momentos mais emblemáticos do homem forte do Palermo como mandatário da equipe foi quando, em um espaço de apenas 19 dias, entre fevereiro e março deste ano, demitiu Gian Pero Gasperini, colocou Alberto Malesani no comando, sacou Malesani após três partidas e recontratou Gasperini, que durou apenas dois jogos em sua segunda passagem relâmpago.

Para ter noção da dimensão da “loucura” de Zamparini, se analisarmos como exemplos alguns clubes italianos de 2002 para cá, o número de técnicos a passarem por seus comandos é bem menor. De alguns dos principais times do país, a Roma é quem mais teve comandantes no período: 12, de Fábio Capello ao atual, Rudi Garcia. A Internazionale, por sua vez, teve apenas 11, média de um por temporada. Atual bicampeã do Campeonato Italiano, a Juventus teve nove técnicos desde 2002, e o Milan registra número ainda menor: três (Carlo Ancelotti, por mais de oito anos, Leonardo, por uma temporada, e Massimiliano Allegri, desde a temporada 2010/11).

Quando chegou ao Palermo, Gattuso afirmou que não tinha medo da fama de Zamparini em relação aos técnicos. Durão em campo durante toda a sua carreira, o ex-volante pode ter achado que sua forte personalidade seria o bastante para confrontar o mandatário. Não resistiu mais de três meses, e agora o experiente Giuseppe Iachini, ex-Siena, assume o comando. Resta saber quantas derrotas serão necessárias para que o Palermo volte ao mercado em busca de outro técnico.