O treinador do Milan, Gennaro Gattuso, admitiu que a situação do clube é ruim e que enfrentam uma crise. Foi o terceiro jogo seguido que o Milan não marcou gols. Pesam sobre o clube a eliminação na Liga Europa ainda na fase de grupos, os dois empates por 0 a 0 contra Torino e Bologna e a derrota em casa para a Fiorentina por 1 a 0. A última vitória foi no dia 2  de dezembro, quando o time bateu o Parma em casa por 2 a 1. A pressão aumenta e já se especula na Itália sobre uma possível demissão do técnico, caso os resultados não melhorem.

LEIA TAMBÉM: A Fiorentina impôs uma derrota ao Milan em San Siro com um belo gol de Chiesa

“É certamente um momento difícil, mas hoje nós estávamos em uma situação de emergência por causa das lesões. Eu não tenho nada pelo que reprovar o time. O resultado é difícil de engolir, nós não estávamos afiados, mas não tivemos sorte também”, disse Gattuso. “As estatísticas dizem que o Milan está em crise. Nós temos sofrido para causar problemas para os nossos adversários nas últimas três semanas. É justo dizer que nós não estivemos exatamente calmos antes disso também, mas nós temos que encontrar alguma paz, não um bode expiatório”, afirmou o treinador. “O time fez tudo que poderia fazer hoje e nós tentamos vencer, mas perdemos nossa formação com a pressão da Fiorentina”.

“Samu Castillejo e Diego Laxalt estavam realmente abaixo do esperado. Nós sentimos falta dos jogadores que deveriam dar uma dose extra de qualidade e a finalizar a última bola. É por isso que eu digo que é errado culpar apenas Gonzalo Higuaín pela falta de gols”, continuou o treinador. “Os resultados recentes não foram a nosso favor e nós caímos na tabela. Destruir as tabelas ou socar a parede não mudará nada. Eu não posso reprovar o time. Nós estamos em um momento negativo, mas estamos todos no mesmo barco”.

O time tinha graves problemas para o jogo com a Fiorentina. Franck Kessié e Timoué Bakayoko estavam suspensos, enquanto Andrea Bertolacci, Giacomo Bonaventura, Fabio Borini e Lucas Biglia estavam machucados. “Hoje [sábado] eu redesenhei o meio-campo do zero. Nós podemos certamente fazer melhor para desenvolver o nosso jogo, nós deveríamos ter explorado as aberturas que eles deram para nós”, continuou o treinador.

Há uma especulação sobre uma troca entre Milan e Chelsea, com Higuaín indo para Londres e Álvaro Morata fazendo o caminho contrário. Gattuso, porém, tentou desviar do assunto. “Esta é uma questão para o clube. As condições certas para Pipita agora estão longe de brilhantes, não menos que o resto de todo o time. Mas enquanto ele estiver em Milanello, ele continua como um jogador importante, cujo potencial deve ser explorado. Nenhum atacante está feliz quando não marca, mas o time todo está tendo problema e Higuaín não é uma exceção”, explicou o técnico.

“Sobre o mercado, não, eu não posso dizer o que está faltando. Esse não é o meu trabalho, eu estou aqui hoje à noite [sábado] para falar sobre o que não funcionou. Não me peça para discutir transferências depois de uma defesa, isso me coloca em uma situação difícil porque não é o meu trabalho e isso não me preocupa”, declarou ainda o treinador.

Gattuso diz que não é o trabalho dele pensar em transferências, mas o treinador precisará fazer melhor com o time em campo se quiser continuar no trabalho. Na Itália, a especulação é que o ex-jogador tem dois jogos para mostrar alguma melhoria, contra Frosinone, no dia 26, e Spal, no dia 30. Caso contrário, pode perder o cargo. E o nome que se fala no momento para o Milan é o do francês Arsène Wenger, ex-Arsenal.