Rudi Garcia foi contratado pela Roma depois de uma ótima passagem pelo Lille, clube que levou até ao título francês. O seu início foi um sonho para os torcedores, com 10 vitórias em 10 jogos no Campeonato Italiano e duas temporadas consecutivas terminando em segundo lugar na tabela. O sonho, claro, era levantar o título, A frustração de não ter conseguido o título, nenhuma das duas temporadas, e o começo ruim em 2015/16 deterioraram a relação.

LEIA TAMBÉM: Uma lenda sabe reconhecer outra: Gerrard rasgou seda para Totti, “o rei de Roma”

Nos últimos 10 jogos, foram duas derrotas, seis empates e só uma vitória. Um desses empates poderia entrar na conta de derrotas, porque foi um 0 a 0 com o Spezia, pela Copa da Itália, e o time acabou eliminado nos pênaltis. A falta de capacidade de se impor nos jogos irrita os torcedores e vai fazendo o time deixar pontos importantes pelo caminho, ficando cada vez mais longe da disputa pelo título.

Nas duas últimas temporadas, havia uma Juventus quase imbatível no caminho para impedir o título. Naquela primeira temporada de Garcia no comando do time da capital italiana, o clube bateu o recorde de pontos em uma temporada da Serie A, ou seja, melhor até do que quando foi campeão. A Juventus impedia isso. Mas nesta temporada, a desculpa não cola mais. Com o time em quinto, sem jogar bem e atrás de Napoli, Juventus, Inter e Fiorentina, o técnico pareceu sem apoio de mais ninguém.

Nesta temporada, a Roma contratou Edin Dzeko, Mohamed Salah, Lucas Digne, Iago Falqué e Antonio Rüdiger, entre os mais cotados. O time, porém, não conseguiu os bons resultados que se esperava e tropeçou na Champions League contra adversários mais fracos, como o Bate Borisov – perdeu uma e empatou outra com o time de Belarus. Classificou-se mesmo assim, mas o desempenho deixava os dirigentes insatisfeitos há algum tempo. A goleada para o Barcelona, também pela Champions, foi outro ponto a deixar os torcedores atordoados, ainda mais lembrando que o time já tinha tomado goleada do Bayern de Munique.

Os assistentes técnicos Frederic Bompard e Claude Fichaux também deixam o clube. O técnico interino será Alberto De Rossi, técnico do time primavera e pai de Daniele De Rossi, vice-capitão do time. Ele comandará o treino nesta quarta.

Segundo a Gazzetta Dello Sport, o novo técnico do time deve ser Luciano Spalletti, que deve ser anunciado nesta quinta-feira. Segundo o jornal, o treinador viajou para Miami para encontrar James Pallotta, presidente do clube, e acertar o contrato. Spalletti já dirigiu a Roma de 2005 a 2009 antes de ser contratado pelo Zenit, da Rússia. O contrato deve ser até junho de 2017.

Aquele início que começou como um sonho de título para o torcedor da Roma acaba em um divórcio não muito amigável de um time que vê a chance de título escapar entre os dedos, com um elenco muito bom e alguns dos rivais, como Inter e Milan, enfraquecidos nos últimos anos.