Atualizado dia 18/07/2013, 10h30

Ganhar a Libertadores é uma tarefa muito árdua. Ganhar a Libertadores e a Liga dos Campeões na Europa é uma tarefa para poucos jogadores. Só sete em toda história conseguiram essa proeza e, não por acaso, três são brasileiros e outros três são argentinos. A trajetória, em geral, passa pela conquista do título sul-americano antes do europeu – Sorín é uma exceção, embora mal tenha jogado no título europeu que levou. Ronaldinho é mais um que pode entrar nessa galeria de jogadores que levaram os dois títulos continentais mais importantes da América do Sul e da Europa. Só que ele pode ser o primeiro a primeiro ter conquistado a glória na Europa e depois conquistar a América do Sul, em ambos como protagonista.

 

Veja quem são os seis jogadores que já levaram a taça da Libertadores e da Liga dos Campeões para casa:

Dida
Cruzeiro, 1997
Milan, 2002/03 e 2006/07

Um dos grandes goleiros da sua geração, Dida foi campeão da Libertadores pelo Cruzeiro, em 1997. Depois teve passagem pelo Corinthians antes de brilhar pelo Milan. Foi campeão da Liga dos Campeões duas vezes, em 2003, quando foi destaque na vitória nos pênaltis contra a Juventus, e em 2007, quando já tinha Kaká como companheiro. Não por acaso, esteve nas Copas de 1998, 2002 e 2006, sendo titular na última. Recentemente, saiu da aposentadoria para defender a Portuguesa no Campeonato Brasileiro de 2012 e foi para o Grêmio em 2013, aos 39 anos.

Cafu
São Paulo, 1992 e 1993
Milan, 2006/07

Um dos grandes laterais do Brasil, foi bicampeão da Libertadores pelo São Paulo de Telê Santana, muitas vezes sendo meio-campista. Tornou-se destaque, foi para a Seleção Brasileira e depois de passar pelo Palmeiras, foi defender a Roma. Mas foi no Milan, a partir de 2003, que conseguiu chegar ao título da Liga dos Campeões. Entrou no time que era o campeão europeu, mas só foi levantar a principal taça da Europa em 2007, junto com Dida e Kaká. Foi o capitão da seleção brasileira no título da Copa de 2002, além de ter sido titular também em 1998 e 2006.

Roque Júnior
Palmeiras, 1999
Milan, 2002/03

O zagueiro pode não ter enchido os olhos de muita gente, mas a sua galeria de títulos é bem vasta. Pelo Palmeiras de Felipão foi campeão da Libertadores de 1999, jogando tanto como volante quando zagueiro. Vendido em 2000 ao Milan, foi campeão também da Liga dos Campeões, mas aí em um papel bem menos importante, como reserva. É preciso dizer também que o zagueiro foi titular na campanha do quinto título do Brasil na Copa do Mundo de 2002. Fez parte daquele time junto com Dida e Cafu, outros dois conquistadores da América do Sul e da Europa.

Juan Pablo Sorín
River Plate, 1996
Juventus, 1995/96

Sorín teve um início de carreira promissor no Argentinos Juniors em 1994/95 e acabou vendido à Juventus em 1995. Mas pouco teve chance de jogar pelo clube italiano naquela temporada e já no começo de 1996, foi negociado com o River Plate. Mesmo assim, estava no elenco que levou a Liga dos Campeões em maio – ok, ele não jogou, mas fazia parte do time. O mais curioso é que ele conquistou o título da Libertadores naquele mesmo ano. Foi o titular do time que venceu o América de Cali e levantou a taça. Aliás, era um dos destaques do time. No fim do ano, viveu a curiosa situação de enfrentar o ex-time no Mundial de Clubes, mas acabou derrotado.

Carlos Tevez
Boca Juniors, 2003
Manchester United, 2007/08

Tevez foi um dos grandes destaques do Boca Juniors na campanha da Libertadores em 2003. Junto com Guillermo Schelotto no ataque, conseguiu uma excelente campanha e levou a taça, inclusive marcando gol na final contra o Santos no Morumbi. O atacante acabou vendido ao Corinthians em 2005, antes de passar pelo West Ham e chegar ao Manchester United, em 2007. Naquela primeira temporada, já se destacou e foi titular na final contra o Chelsea. Ainda ficaria mais uma temporada no United antes de defender o Manchester City, entre 2009 e 2013. Nesta temporada, defenderá a Juventus.

Walter Samuel
Boca Juniors, 2000
Internazionale, 2009/10

Samuel fez parte do primeiro título da dinastia do Boca Juniors na Libertadores. Em 2000, era zagueiro do Boca Juniors que venceu o Palmeiras no Morumbi, nos pênaltis, em uma campanha que contou com um épico duelo com o River Plate nas quartas de final. Depois de perder por 2 a 1 o jogo de ida, os bosteros venceram a volta por 3 a 0. Na final, o polêmico empate por 2 a 2 com o Palmeiras em Buenos Aires, graças a uma arbitragem desastrosa de Ubaldo Aquino, e empate por 0 a 0 no Morumbi. Nos pênaltis, os argentinos levaram a taça e desbancaram o então campeão. Dez anos depois, Samuel voltou a levantar um título continental. Já experiente, formou a zaga da Internazionale ao lado do brasileiro Lúcio e venceu o Bayern Munique na final por 2 a 0, em um ano que a Inter ganhou tudo que disputou.

Santiago Solari
River Plate, 1996
Real Madrid, 2001/02

Em 1996, Solari ainda era um jovem e estava no elenco profissional do River Plate, mas não entrou em campo na conquista da Libertadores naquele ano. De qualquer forma, vale o registro que ele viveu aquele título de alguma forma, dentro do clube. Depois, já no Real Madrid, conquistou o título da Liga dos Campeões. Assim como no caso do River Plate, mal jogou naquela conquista. Era um reserva que pouco atuava em boa parte do seu tempo no clube merengue.


Os comentários estão desativados.