“O Ronaldinho tá igualzinho!”: Como era a aparência dos jogadores no clássico World Cup 98

10 de março de 2016 às 13:58

“Olha só o Ronaldinho, está igualzinho!”. Talvez você, assim como eu, já tenha ouvido essa frase algumas vezes na vida. E o Ronaldinho da infância não precisa ser necessariamente o Fenômeno ou o Gaúcho, assim como a interjeição pode ser igualmente lançada nos dias atuais para Messi, Cristiano Ronaldo ou o craque da sua preferência. A cada nova versão, os games de futebol tentam aperfeiçoar a semelhança entre os jogadores virtuais e os reais. Uma evolução gradual, que avança com a tecnologia gráfica ano a ano. Mas que vira um susto quando a gente olha duas décadas para trás. Para quem estava acostumado com os 16-bits de Allejo e Janco Tianno, ver a carequinha do camisa 9 da Seleção era a maior inovação.

VEJA TAMBÉM: Este infográfico sobre a evolução dos jogadores de futebol nos games é simplesmente sensacional

Faz uns dias, redescobri o meu empoeirado Playstation no armário de casa. E tamanha foi a minha surpresa (e também minha felicidade) ao saber que o velho companheiro ainda funcionava – dando reset sozinho, tudo bem, mas já garantindo a diversão. Comecei uma Master League no Winning Eleven 4 com o falido Parma. Disputei alguns amistosos com os times clássicos do Fifa 2000. Mas a nostalgia bateu forte mesmo quando botei o World Cup 98 para rodar. Aquele jogo foi o primeiro que me viciou no console. De certa forma, ajudou a formar meu caráter futebolístico. O coração até bateu mais rápido quando Footix se apoiava na Tricolore, antes da bicuda durante o grito de “I get knocked down”.



Só que toda aquela semelhança que inebriava o menino de oito anos já não causa ilusão 18 anos depois. Óbvio que o jogo me divertiu: do vídeo introduzindo cada estádio ao quiz no intervalo dos jogos, do goleiro chutando a câmera após tomar um gol à chance de destravar finais históricas. Mas o velho Ronaldinho, hoje, não é igualzinho. E eu te juro que em 1998 era. Não é só a evolução dos gráficos: é a maneira como o seu cérebro se acostuma com as mudanças graduais.

Abaixo, para mexer também com as suas lembranças, fiz uma galeria com os rostos de vários jogadores emblemáticos presentes no World Cup 98 – que não necessariamente jogaram a Copa do Mundo. Eu até ia misturar com outros games, mas desisti do Winning Eleven 4 quando percebi que a única customização na aparência era a barba e o cabelo (com olhos e bocas formados apenas por traços mais escuros), assim como o Fifa 2000 me desanimou ao notar que Beckenbauer estava completamente careca e Cruyff era moreno.

É preciso levar em conta que as opções de rosto no World Cup 98 eram limitadas. Mesmo assim, o Fenômeno de olhos puxados ou o Zidane mais parecido com o Humberto Martins frustraram o menino que resiste em mim. O Roberto Carlos está mais parecido com o Edmundo que o próprio Edmundo. Enquanto em outros países, as variações são quase nulas, com o Salas surgindo como o irmão gêmeo barbudo do Zamorano. E para não dizer que eu só cornetei, o Ali Daei ficou semelhante. Além disso, um ponto que merece amplos elogios é a precisão nos detalhes dos uniformes, respeitadas as limitações gráficas da época. Esse segue até hoje como um dos pontos altos da EA Sports naquele jogo.

Abaixo, 48 comparações, com as figurinhas do álbum da Copa de 1998 ou outra imagem dos jogadores na época. Peço desculpas apenas pela ausência imperdoável de Alexi Lalas: