Galatasaray é um desafio aos maiores traumas de Mancini

Treinador italiano precisará superar suas deficiências na gestão do elenco e na Liga dos Campeões para cumprir os objetivos em seu novo clube

A demissão de Fatih Terim foi bastante sentida em Istambul. O início de temporada do Galatasaray não era dos melhores, mas o treinador tinha um histórico bastante favorável para se manter à frente dos Aslanlar. Atual bicampeão turco, Terim é o técnico mais vitorioso da história do clube. Algo que não serviu para convencer a diretoria sobre a renovação de seu contrato, embora tenha causado revolta em boa parte dos torcedores do Cim Bom.

A perda do mito, porém, parece superada pelo Galatasaray. E seu sucessor já foi anunciado. Roberto Mancini assume o comando da equipe, não sem antes ganhar uma bolada por seus serviços. Credenciado pelos títulos conquistados com Internazionale e Manchester City, o italiano receberá € 3,5 milhões de salário em sua primeira temporada, aumentando para € 4,5 milhões nos dois anos seguintes de contrato. Uma fortuna que justifica a repercussão do negócio, mas que parece muito alta quando são analisadas as interrogações sobre o treinador.

Apesar das taças, Mancini é bastante criticado pela forma como conduz seus elencos. No Manchester City, a falta de controle sobre os vestiários foi claramente um dos motivos que levaram a sua demissão – incluindo a célebre polêmica com Carlos Tevez, a quem reencontrará justamente na primeira partida como técnico do Galatasaray, contra a Juventus. Uma deficiência que precisará resolver o quanto antes em Istambul, considerando as personalidades fortes com as quais lidará, como Didier Drogba, Wesley Sneijder e Felipe Melo.

Além do mais, a maior lacuna na carreira de Mancini está justamente na Liga dos Campeões. Justamente a principal obsessão do Galatasaray. Se Terim foi demitido, o massacre sofrido contra o Real Madrid em Istambul na estreia pode ser colocado como principal motivo. Pela competição, o treinador nunca foi além das quartas de final com a Inter, além de ter morrido na primeira fase por duas vezes com o Manchester City e uma com a Lazio.

Tão importante ao Galatasaray encontrar um técnico de renome é a Mancini ser contratado por um clube ascendente, disposto a investir pesado para ter sucesso na Europa. Esse pode ser o caminho mais fácil para, enfim, superar algumas das questões que rondam seu nome. E, de certa forma, também para apagar as decepções que perseguiram o Cim Bom nos últimos anos, com os fracos trabalhos de Frank Rijkaard e Gheorghe Hagi ainda frescos na memória da torcida.