Cristiano Ronaldo superou recordes de Raúl González, pelo Real Madrid e na Champions League, mas o atacante espanhol nunca deixará de ser uma das grandes lendas do clube merengue, embora seja frequentemente subestimado. Não pelo Leicester. Christian Fuchs, companheiro de Raúl no Schalke 04, contou ao Goal que mostra vídeos antigos do atacante para inspirar os seus colegas de time inglês.

Fuchs também afirmou que foi um sonho realizado dividir vestiário com Raúl, que se mudou para Gelsenkirchen em 2010, e que foi a a primeira e última vez em que ficou deslumbrado no mundo do futebol.

“Eu ainda mostro aos jogadores do Leicester vídeos de Raúl de quando eu jogava com ele. Ele era incrível. Ele não era apenas um bom jogador de futebol. Era um cavalheiro e um dos jogadores mais legais com os quais já joguei”.

“Foi um sonho realizado porque ele era uma dos jogadores, quando eu estava crescendo, que eu costumava ver como uma das grandes estrelas. De repente, eu tive a oportunidade de jogar com ele, de passar a bola para ele marcar”.

“Eu acho que foi a primeira e a última vez em que fiquei deslumbrado no futebol. Essa pessoa que eu admirei durante anos e agora eu dividia vestiário com ele. Vamos lá, o quão melhor pode ficar? Você conversa com ele, lida com isso melhor com a passagem das semanas. Ele foi definitivamente um dos melhores jogadores com os quais joguei. Fico orgulhoso, honrado e feliz por ter tido essa experiência”, completou.

Raúl foi seu melhor companheiro, mas Fuchs também se lembra de dois jovens das categorias de base do Schalke 04 que lhe impressionaram: Julian Draxler e Leroy Sané. “Em termos de habilidade, eu diria que os dois jogadores que se destacaram foram Draxler e Sané. Eles eram adolescentes quando fui embora (em 2015), eu lembro como se fosse ontem”, disse.

“As últimas palavras que disse para Leroy Sané foi que se ele continuasse trabalhando duro em um ou dois anos estaria em um dos melhores clubes do mundo. Foi literalmente o que aconteceu. Ele ainda é jovem e teve lesões nesta temporada, mas ele ainda tem muita coisa pela frente. Com a qualidade que tem, encontrará seu caminho”, acrescentou.

E quem foi o adversário mais difícil de marcar? Arjen Robben não é uma resposta incomum, e Fuchs relata o quanto é complicado marcar aquela jogada que todos sabiam que o holandês fazia. “Ele é horrível. Ele era o pior jogador para enfrentar. A razão é que todos sabem o que ele fará, mas ninguém sabe quando ele o fará”, disse.

“No segundo em que ele decide subir na bicicleta e cortar para dentro, ele é simplesmente rápido demais nos primeiros metros e aí você sabe o que acontece. Ele era definitivamente o mais difícil de enfrentar”, contou.

“O mais difícil que enfrentei na Premier League foi provavelmente Eden Hazard. Ele era muito bom. Nesta temporada, é difícil escolher um jogador similar porque ele foi tão dominante em tantas partidas. No entanto, nesta temporada, o melhor jogador que enfrentei foi Riyad Mahrez”, encerrou Fuchs, elogiando o ex-companheiro de Leicester.

Aos 33 anos, Fuchs não tem atuado tanto pelo Leicester, perdendo espaço para Ben Chilwell. Entrou em campo apenas 14 vezes, oito pela Premier League. Seu contrato terminaria ao fim desta temporada. Brendan Rodgers, treinador das Raposas, já indicou que gostaria de renová-lo pela sua presença no vestiário, por ser capaz de atuar em varias posições e por entender o seu papel no clube, ciente de que não jogará tanto.