A cada rodada, o Cruzeiro se prova como uma evidente força nesta Copa Libertadores. O time de Mano Menezes realizou uma campanha perfeita na primeira metade de seu grupo. Que a chave tenha guardado adversários acessíveis, os celestes se aproveitaram para mostrar sua qualidade e encaminhar a classificação. E nesta quarta-feira veio a atuação mais contundente dos cruzeirenses, que valeu também a confirmação nas oitavas de final. Contra o Huracán, os mineiros fizeram uma partida dominante. O primeiro tempo excelente teve como ápice o oportunismo de Fred, autor de três gols. Depois, mesmo que o ritmo tenha diminuído, Dodô anotou uma pintura para fechar com estilo a goleada por 4 a 0, embalada pelos gritos de olé no Mineirão. Um resultado para sonhar alto.

O primeiro jogo contra o Huracán já tinha deixado clara a superioridade do Cruzeiro, vencendo o duelo na Argentina. Em um gramado encharcado pela chuva torrencial, os celestes encontraram o caminho do gol e foram valentes para segurar a vantagem, contando também com a participação providencial de Fábio. Desta vez, o sofrimento seria bem menor no Mineirão. Ou melhor, ele mal existiria, pela maneira como os anfitriões entraram resolutos a garantir logo o placar favorável. A postura ofensiva pode não ser costumeira nos times de Mano Menezes, mas a disposição dos cruzeirenses apresentou uma mentalidade diferente.

A intensidade do Cruzeiro durante os primeiros minutos permitiu a empolgação da torcida. O time pressionou o Huracán no campo de ataque e não demorou a criar ocasiões de gol. Antony Silva precisou de pouco tempo para ser exigido à primeira defesa. O principal caminho era Marquinhos Gabriel, abrindo avenidas com sua velocidade pelo lado esquerdo. E o ponta mostrou como o entrosamento com Fred anda afiado. O primeiro gol saiu aos 18, a partir de um contra-ataque. O novo contratado fez a jogada e cruzou para o meio da área. Mesmo marcado, Fred subiu mais que o defensor e cabeceou para dentro, encobrindo o goleiro.

O único susto do Cruzeiro aconteceu na sequência. Fábio ressaltou como segue em excelente forma, em uma defesa candidata a mais impressionante desta Libertadores. Lucas Barrios finalizou à queima-roupa e o veterano realizou o seu milagre, espalmando em cima da linha. No rebote, Israel Damonte tentou de novo e outra vez o veterano salvou. Houve uma reclamação, com razão, por toque na mão de Dedé. A bola realmente desviou no braço do zagueiro antes da segunda defesaça de Fábio, mas a arbitragem nada marcou. E o alívio seria praticamente instantâneo. No ataque seguinte, o Cruzeiro ampliou. Robinho levantou a bola para Marquinhos Gabriel, que escorou e permitiu que Fred só completasse. A defesa parada reclamou de impedimento, que não existiu. A vantagem era mais do que merecida.

E a tripleta de Fred se consumou aos 31. O cruzamento agora saiu dos pés de Dodô, para uma cabeçada forte do centroavante. Antony Silva tocou na bola, mas não teve o que fazer. O artilheiro era o destaque óbvio, mas não o único. Dodô e Orejuela faziam um trabalho excelente nas laterais, sobretudo no apoio. Já na faixa central, a movimentação de Rodriguinho ajudava o sistema ofensivo do Cruzeiro a funcionar com fluidez, assim como Robinho na armação. De qualquer maneira, se a diferença era tão ampla, a presença de área de Fred era a principal explicação. Marquinhos Gabriel ainda teve ótima chance de fazer o quarto, mas errou o alvo. Além da clara empolgação dos torcedores cruzeirenses com o resultado parcial, o Mineirão também vibrou com o anúncio da goleada que o Atlético Mineiro tomava contra o Cerro Porteño.

Na volta para o segundo tempo, o Cruzeiro diminuiu o seu ritmo. Até pela maratona de jogos que tem pela frente, com o Campeonato Mineiro na mira, o time pareceu se resguardar. Nada que prejudicasse tanto, contra um adversário claramente inferior. Quando o Huracán tentou descontar, Fábio apareceu para ótima defesa em chute forte de Carlos Auzqui. Robinho e Fred não demorariam a sair, aplaudidos pela torcida. E a festa só se tornou completa aos 37, premiando a boa atuação de Dodô. O lateral recebeu na esquerda, cortou para o meio e acertou um lindo chute de direita, rumo ao ângulo, sem que o goleiro evitasse. Terminou de inflamar a torcida, sob os gritos de olé.

Com 12 pontos em quatro partidas, o Cruzeiro carimba a classificação às oitavas de final da Libertadores. Além disso, são oito gols marcados e nenhum sofrido pelos celestes. O conjunto forte está cada vez mais entrosado e ganhou recursos com as contratações realizadas para esta temporada. É um time em ascensão e que merece ser colocado entre os principais favoritos ao título. Obviamente, ainda há muita água para rolar, especialmente ao se considerar a pausa para a Copa América. Todavia, a um grupo que já demonstrou sua veia copeira em outras ocasiões recentes, este início de campanha permite acreditar na taça.