Champions LeagueEuropaFrançaLigue 1

Presidente do PSG promete ainda mais gastos em contratações

Desde que foi comprado pela Qatar Sports Investiments (QSI), o Paris Saint-Germain gastou mais de € 250 milhões na contratação de novos jogadores. E não deve parar por aí. Presidente do clube, Nasser Al-Khelaifi vê a possibilidade de comprar astros cada vez mais aberta e promete despejar ainda mais dinheiro no mercado para reforçar o elenco.

“Felizmente há muitos jogadores realmente interessados em defender o PSG, o que não acontecia quando compramos o clube”, declarou o dirigente, em entrevista à Sky Sports. “Nós investimos algum dinheiro no clube, mas se quisermos estar entre os cinco melhores da Europa, precisamos investir mais”.

Perguntado sobre um possível contato com Rooney, o dirigente elogiou o atacante, mas negou que haja algo concreto: “Não falamos com Rooney. Ele é um grande jogador, um dos melhores do mundo. Penso que todos gostariam de contar com ele, mas se você quiser falar sobre fatos, não nos aproximamos dele”.

Além disso, Al-Khelaifi também afastou a possibilidade de buscar Arsène Wenger: “Ele é um grande técnico e tem feito um grande trabalho no Arsenal. Mas ele tem contrato por mais um ano e pensa em permanecer no clube. Eu não sei o que iremos decidir, mas temos Carlo Ancelotti e estamos muito satisfeitos com ele”.

Líder da Ligue 1, o PSG está próximo de garantir o primeiro título sob o comando dos catarianos, abrindo sete pontos de vantagem para o Olympique de Marseille, segundo colocado. Além disso, o clube segue vivo na Liga dos Campeões e recebe o Barcelona nesta terça, no primeiro encontro pelas quartas de final.

Mostrar mais

Leandro Stein

É completamente viciado em futebol, e não só no que acontece no limite das quatro linhas. Sua paixão é justamente sobre como um mero jogo tem tanta capacidade de transformar a sociedade. Formado pela USP, também foi editor do Olheiros e redator da revista Invicto, além de colaborar com diversas revistas. Escreve na Trivela desde abril de 2010 e faz parte da redação fixa desde setembro de 2011.

Conteúdos relacionados

Botão Voltar ao topo