França

Joachim Fernandez, o senegalês que jogou com Zidane e morreu de frio nas ruas da França

A trajetória histórica na Copa da Uefa de 1996 foi o auge daquela equipe do Bordeaux, que entre jogadores como Lizarazu e Dugarry, tinha também um jovem meia calvo chamado Zinedine Zidane, que despontava como uma grande promessa para o futuro do futebol francês. O senegalês Joachim Fernandez era reserva e tinha um papel muito mais secundário nessa história, mas jogou bons minutos da campanha. Aposentou-se cedo, aos 29 anos, por causa de uma lesão no joelho, e no último mês de janeiro, morreu de frio nas ruas de Domont, uma cidadezinha de 15 mil habitantes, 20 quilômetros ao norte de Paris.

LEIA MAIS: Fora da Seleção, Lucas brilha com dois gols pelo PSG contra o Guingamp

Em um intervalo curto de dias, um homem de 43 anos foi encontrado morto, por volta da uma hora da manhã, em um armazém usado por alguns moradores de rua de Domont, em uma noite fria de inverno, e o Bordeaux emitiu uma nota anunciando a morte de seu ex-jogador Fernandez, mas sem explicar as circunstâncias. Foi a revista SoFoot que ligou os pontos, e o Le Parisien conversou com amigos que o senegalês havia feito na reta final da vida.

Segundo esses companheiros, Fernandez enviou boa parte do dinheiro que ganhou como jogador profissional para o Senegal e manteve gastos exagerados mesmo depois da última etapa da sua carreira, na Indonésia. A separação com a mulher foi particularmente difícil para ele e pior ainda era não poder ver o filho, do qual se orgulhava pela aplicação nos estudos. Era quieto, não falava sobre seu passado no futebol e tinha uma conta aberta em um bar da região.

Apelidado de novo Desailly, o volante Fernandez tinha um chute forte e teve a carreira prejudicada por uma séria lesão no joelho. Depois do Bordeaux, passou por Caen, Udinese e Monza antes de acertar com o Milan. Mas nem chegou a disputar uma partida pelo gigante italiano e acabou indo para a Escócia defender o Dundee United, quando agarrou Paul Gascoigne pelo pescoço. Fez ainda um último pitstop no Persma Manado, em 2001, e encerrou a carreira.

O sonho de ser bem sucedido no futebol europeu, o combustível que o fez deixar Senegal, não se concretizou por completo, e o triste fim de Joachim Fernandez foi morrer de frio e sozinho em um armazém nos arredores de Paris.

Mostrar mais

Bruno Bonsanti

Como todo aluno da Cásper Líbero que se preze, passou por Rádio Gazeta, Gazeta Esportiva e Portal Terra antes de aterrissar no site que sempre gostou de ler (acredite, ele está falando da Trivela). Acredita que o futebol tem uma capacidade única de causar alegria e tristeza nas mesmas proporções, o que sempre sentiu na pele com os times para os quais torce.

Conteúdos relacionados

Botão Voltar ao topo