Vencer, vencer, vencer. Não é o hino do Flamengo, é a mentalidade que fez da França campeã do mundo. Claro que todo mundo quer ganhar, mas o que tem acontecido é um questionamento em relação ao jogo do time. Por vezes considerado muito defensivo, o estilo do time comandado por Didier Deschamps foi defendido por uma das suas principais estrelas, Antoine Griezmann.

LEIA TAMBÉM: Na Liga das Nações, Giroud enfim consegue sua redenção. Azar holandês

A França venceu a Copa sem ser brilhante, mas com uma eficiência enorme. Há quem veja o brilho justamente nisso: se tornou um time seguro ao longo da campanha na Rússia que tornou o time muito difícil de ser batido. Tanto que o time teve jogos duros no Mundial, como a semifinal contra a Bélgica, mas sem sofrer tanto. A segurança defensiva, especialmente após a vitória maluca sobre a Argentina nas oitavas de final (um 4 a 3 de tirar o fôlego), fez com que o time só voltasse a ter as redes balançadas na final. E um dos dois gols ainda foi em uma falha gritante do goleiro Hugo Lloris.

Diante da Holanda, neste domingo, a França voltou a vencer, 2 a 1 sobre a Holanda. O estilo foi o mesmo: um time muito eficiente, que aproveita bem as chances para marcar. Curiosamente, o herói do jogo, autor do gol decisivo, foi um dos jogadores mais criticados durante o Mundial, Olivier Giroud, o centroavante que não balançou as redes em nenhum dos sete jogos do torneio. O gol foi importante para dar a vitória à França em um dia de festa.

“A vitória tornou as coisas mais fáceis para a festa depois”, afirmou Griezmann. “Nós queríamos ver os nossos torcedores, jogar no Stade de France, e, mais do que isso, em frente às nossas famílias. Nós realmente queríamos jogar. Nós nos sentimos bem. Eu tive arrepios. Foi bom. Eu espero que as pessoas tenham gostado também”.

Depois da vitória contra a Bélgica na semifinal da Copa por 1 a 0, gol de Samuel Umtiti, de cabeça, alguns jogadores belgas reclamaram do estilo de jogo francês. Griezmann sempre foi alguém que falou sobre isso, defendendo o estilo e o resultado, no fim, que levou a uma segunda estrela na camisa. “Nós tentamos dar a eles o que esperam. É claro, nós não jogamos como a Espanha ou o Barcelona, mas nós tentamos vencer as partidas para eles. A Copa do Mundo, nós teremos isso pela vida toda”, afirmou Griezmann.

A França certamente está lidando bem com as críticas neste momento, depois de ver o time ser campeão do mundo. A cobrança certamente voltará em algum momento, especialmente quando os resultados não chegarem. Por enquanto, o time tem vencido os jogos mais importantes e tem mostrado alguns recursos. Por enquanto, o momento é só de festa e isso deve durar. Até porque o time já chega a quatro pontos na Liga das Nações, começando bem a disputa, que vale uma vaga na Eurocopa de 2020.


Os comentários estão desativados.