A diferença de divisão que normalmente impera entre Hamburgo e St. Pauli torna o Dérbi de Hamburgo uma raridade. Passaram-se oito temporadas até que o reencontro acontecesse na segundona da Bundesliga em 2018/19. Já neste domingo, o Estádio Millerntor recebeu o clássico pela primeira vez em quase nove anos. Apesar da recepção calorosa da torcida pirata, fazendo sua festa, quem ganhou o importante confronto pelo topo da tabela foi o HSV, e sem qualquer piedade: 4 a 0 para os Dinossauros, bem mais firmes na equilibrada luta pelo acesso.

Após os confrontos entre torcedores ocorridos durante o primeiro turno, desta vez o trabalho preventivo da polícia deu certo e evitou embates. Mesmo assim, as ruas da cidade foram tomadas por provocações, com muros pintados com as cores da equipe. E o clima intenso tomou Hamburgo antes mesmo que a bola rolasse. Cerca de três mil torcedores do HSV fizeram sua caminhada até o Millerntor, com direito a fumaça colorida e pirotecnia. Já a torcida do St. Pauli preparou um enorme bandeirão com a face de sua tradicional caveira para a entrada dos times em campo, além de acender sinalizadores para empurrar seu time.

A vitória seria fundamental a ambos. Embora o Hamburgo tenha passado boa parte da campanha na zona de acesso, o St. Pauli vinha em crescente nas últimas semanas, impulsionado principalmente pelo artilheiro Alexander Meier. Desta vez, porém, os Dinossauros doutrinaram no Millerntor. O artilheiro Pierre-Michel Lasogga comandou a vitória, com um gol em cada tempo. Khaled Narey deixou o seu, enquanto o lateral Douglas Santos foi o responsável por fechar a conta – num belo chute de fora da área, colocando as mãos na orelha para provocar a torcida da casa. Um tropeço que deixou a situação mais difícil aos Piratas. O HSV é o vice-líder da segundona, com 50 pontos, um a menos que o Colônia. Já o St. Pauli ocupa a quarta colocação, com 43, a quatro do Union Berlim na zona de playoffs. Ao que parece, o clássico ficará mais um tempo sem acontecer. Restam nove rodadas para o fim do campeonato.