Por Thiago Simões, especial para o Kotaku Brasil

Os milhões de técnicos brasileiros comemoraram a chegada de Football Manager 2015 ao mercado nacional. Mais uma temporada regada de emoções, acessos para a primeira divisão e campeonatos conquistados.

Mas antes do lançamento do conhecido simulador de futebol, muitos se perguntaram sobre os rumos da franquia, se ela deveria mudar de foco ou continuar trilhando o caminho atual. As opiniões se dividiram, as informações se digladiaram, mas o fato é que resolveram continuar no caminho dos últimos anos. Afinal, como diz o poeta urbano, em time que está ganhando, não se mexe.

Felipão ou Mourinho?

Cristiano Ronaldo ou José Mourinho?

O básico do jogo foi mantido, sem mudanças na jogabilidade, mas com alterações relevantes, como a dos técnicos. A primeira escolha interfere na característica do comandante. Você pode ser um teórico, voltado apenas para as ações do time no gramado, no melhor estilo José Mourinho, ou então um que interfira no psicológico dos jogadores, no perfil Felipão. Sua escolha será fundamental para mudar o desempenho profissional, já que suas decisões extracampo influenciarão diretamente o presidente, diretores, olheiros, o corpo técnico e até mesmo os jogadores.

Você pode fazer reuniões com o elenco ou apenas com um jogador, planejar sua postura (mais calma ou autoritária), durante o encontro, e influenciar de diversas maneiras o desempenho do seu sucesso no jogo. Uma palavra mal colocada ou uma polêmica podem significar a sua presença nas manchetes do dia seguinte dos jornais, a oportunidade de um emprego perdido ou a conquista de um campeonato. Algo que não ficou muito claro é a forma de execução disto, que entra diretamente no campo de interface do jogo. A famosa “rádio peão” funcionará a todo vapor dentro do elenco. Grupos serão formados e as panelas podem interferir diretamente no resultado final. Cabe a você marcar reuniões periódicas para evitar qualquer revolução dentro da equipe.

Interface de FM 2015

Os menus melhoraram um bocado frente aos seus antecessores, mas FM 2015 continua sendo um desafio e tanto para os jogadores novatos. A presença de barras laterais e horizontais são extremamente valiosas. Prepare-se para pegar seu rico tempo e separá-lo por, pelo menos, 30, 40 minutos para entender todas as interações possíveis. Alguns atalhos serão fundamentais no decorrer das partidas.

Falando em jogo, agora é possível criar uma “arquibancada virtual’. A inserção do Twitch TV já era previsível, porém se confirmou com a chegada do título. A ação será bem legal para os apaixonados e também para você saber como cada um utiliza sua estratégia de jogo, fazendo com que sua experiência no game aumente bastante.

Olheiros

A semelhança com o processo que acontece na realidade foi uma das grandes mudanças no novo game. Nas edições anteriores, ao pedir para um scout o serviço de análise de um jogador, o profissional trazia um panorama geral do atleta, onde já era possível escolhê-lo. No FM 2015, a análise é gradual e leva mais tempo do que o esperado para que seja possível a construção de um panorama adequado. Com isso, as contratações deverão ser feitas minuciosamente. Outro fator importante é a qualidade do olheiro, que será determinante para a análise de um jogador em vista.

Match View

Falamos que FM 2015 não teve alterações na jogabilidade, mas podemos inserir a Match Engine como exceção. Pela primeira vez na história da franquia foram utilizados jogadores reais como moldes para o desenrolar de um confronto, fazendo com que acrescessem mais de duas mil animações ao longo da jogatina. Alguns consideram esta a grande mudança no jogo desde a entrada dos modelos em 3D. Vale salientar que ainda está muito distante de jogos como FIFA e PES, mas como já foi citado em diversas aspas dos desenvolvedores, este não será o foco da empresa.

Football Manager 2015 continua no caminho do sucesso. Procurou não inventar e aperfeiçoar suas principais qualidades. Ainda acho que falta um pouco de aproximação com os jogadores mais casuais. Apesar deste não ser o foco do jogo, seria interessante ter essa opção para termos uma gama maior de jogadores.


Thiago Simões é comentarista de futebol e hóquei no gelo na ESPN, e toda sexta-feira ele fala de esportes na coluna Kotaku Sports. Siga o Thiago no Twitter.