Football League ignora acusações e dono do Olympiacos assumirá também o Nottingham Forest

A organização inglesa deu o aval para o magnata grego comprar o Forest, mesmo ele sendo investigado por manipulação de resultados

Evangelos Marinakis é um magnata grego e um dos homens mais polêmicos dentro do meio do futebol em seu país. Presidente do Olympiacos desde a metade de 2010, ele já chegou até mesmo a ser desligado de qualquer atividade ligada ao esporte por conta de investigações por manipulação de resultado. Em suma, sua gestão é controversa e sua reputação não é das melhores. Isso, porém, não impediu que ele mergulhasse no processo de aquisição de um novo clube nos últimos dias. Nem isso e nem a crise em que o Olympiacos pendeu nesta temporada, mesmo, no fim, tendo voltado a ser campeão nacional. Depois de passar pela aprovação da English Football League (EFL) nesta quinta-feira, Marinakis chegou a 99% do acordo para se tornar dono do Nottingham Forest, que viveu um drama recentemente escapando do rebaixamento para a terceira divisão inglesa na última rodada da Championship.

LEIA TAMBÉM: A nova camisa do Nottingham Forest resgata os anos áureos do clube

A aquisição do clube de Nottingham por parte do magnata grego coloca um fim na gestão de Fawaz Al-Hasawi, que esteve no comando do Forest nos últimos cinco anos e já estava com sua popularidade praticamente esgotada entre os torcedores. No início de 2017, houve interesse e até uma tentativa de um consórcio dos Estados Unidos comprar a agremiação inglesa, mas as negociações acabaram indo por água abaixo quando o então presidente colocou um fim em conversas de meses entre ele e os empresários norte-americanos John Moores e Charles Noell, os compradores. Foi aí que Marinakis entrou no jogo novamente, uma vez que já havia tentado adquirir o Forest em outra ocasião. Agora, conseguiu superar o peso dos escândalos, acusações e polêmicas para dar o último passo final antes de se tornar oficialmente dono do clube que é bicampeão europeu e tem uma célebre história.

O escarcéu mais grave em que o nome de Marinakis esteve inserido foi a acusação de que o dirigente esteve envolvido na explosão de um estabelecimento que pertencia a um árbitro grego. A denúncia, no entanto, terminou com o magnata não enfrentando nenhum tipo de ação. Mas ele segue encarando as alegações de manipulação de resultados que surgiram em 2015, embora negue todas e diga que foram inventadas pela oposição para “destruir o seu sucesso”, que não tem nada a temer e se preocupar e que não fez nada de errado. Apesar da última etapa da aquisição ter tido o aval da EFL e esta ter ignorado seus precedentes, a Uefa confirmou esta semana que vai continuar monitorando e investigando as acusações de manipulação de resultados a favor do Olympiacos durante a gestão de Marinakis.

A fonte da fortuna do milionário é o setor da navegação, e é de lá que vem o dinheiro dos investimentos dele no futebol. Com a crise econômica que afetou a Grécia nos últimos anos, seu patrimônio sofreu certo abalo. Já os investimentos no elenco do Olympiacos vêm se reduzindo. Nesta temporada, o clube sofreu com uma sequência de resultados ruins e esteve longe de ter uma administração sem dificuldades, mas conseguiu ser campeão com algumas rodadas de antecedência e com sobras. A falta de magnatas, como ele, que banquem os outros clubes gregos facilita o seu caminho.

“Temos um plano de longo prazo, e, dentro dele, queremos trazer o Nottingham Forest de volta ao lugar ao qual ele pertence”, disse o grego em entrevista nesta quinta. “E é claro que o Forest pertence à Premier League. À elite da Premier League. Além disso, os torcedores estiveram cansados ​​durante todos estes anos por conta da falta de bons momentos. Mas eles permaneceram leais ao clube e para nós isso é muito importante”, complementou. “O potencial do clube é enorme. O potencial desse time é que quando ele estiver muito bem organizado, quando vier a ganhar novamente, quando estiver em uma melhor posição no campeonato e puder olhar seriamente para a Premier League, então nós vamos subir e é na primeira divisão que iremos ficar”.