Paco Alcácer sempre foi um centroavante cumpridor de suas tarefas. Podia não ser brilhante em seus tempos de Valencia, mas se manteve como uma peça importante no elenco. A transferência ao Barcelona parecia um passo maior do que as pernas e, de fato, o espanhol sentiu a responsabilidade. Longe de ser péssimo, a renovação de ares poderia fazer bem ao seu futebol. Vem fazendo bem, de uma maneira inacreditável na Bundesliga. O camisa 9 atravessa um início de temporada excelente com a camisa do Borussia Dortmund. Em suas primeiras participações, resolveu jogos e acumulou gols. Mas nada comparado ao que aconteceu neste sábado. O Signal Iduna Park recebeu um jogaço, dos melhores da temporada, sobretudo no segundo tempo. O Augsburg mais uma vez mostrou que pode peitar os grandes e incomodou demais os anfitriões. Todavia, o momento dos aurinegros é mesmo sublime. Alcácer anda inspirado. Anotou três gols na emocionante vitória por 4 a 3 sobre os bávaros, com direito a uma cobrança de falta para definir o placar justamente no último lance da partida.

Motivado após tomar a liderança da Bundesliga no final de semana passado, o Dortmund entrou com uma linha de frente afiada. Jadon Sancho, Marco Reus e Jacob Bruun Larsen formavam a trinca de meias, municiando Maximilian Philipp. O Augsburg, entretanto, possui um time bem montado e que conta com a presença física para fazer o seu jogo. Mais importante, não costuma se esconder, como já tinha demonstrado no empate com o Bayern de Munique. Foi um início de jogo franco, com finalizações para os dois lados. A pressão alta dos bávaros dificultava a saída de bola dos aurinegros, que ainda assim criavam boas jogadas a partir da velocidade de Sancho pela direita. Em um dos lances, o inglês entregou o presente a Reus, que pegou mal na bola. Pouco depois, os visitantes não perdoariam. Aos 22 minutos, uma bola alçada na área permitiu que Alfred Finnbogason abrisse o placar. São quatro tentos em duas partidas nesta Bundesliga ao centroavante, que retornou recentemente de lesão.

O Augsburg se retraiu um pouco mais depois do gol e o Dortmund partiu para a pressão. O goleiro Andreas Luthe faria grande defesa em tentativa de Achraf Hakimi e os aurinegros se posicionavam no campo de ataque, tentando encontrar as brechas. Além disso, mais algumas finalizações travadas assustaram os visitantes. O time de Lucien Favre trabalhava bem a bola e buscava principalmente o jogo pelos lados, mas a defesa adversária se mostrava atenta para segurar a vantagem. Era uma boa partida, especialmente pela energia de ambas as equipes, e que continuava aberta. Só um prenúncio do que viria a ser o segundo tempo.

Logo na volta do intervalo, o Augsburg teve uma sucessão de chances para ampliar, mas viu Roman Bürki crescer para evitar o pior ao Dortmund. O jogo ficou mais pegado, com muitas faltas e cartões. De qualquer forma, a posse de bola era dos aurinegros, que se esforçavam bastante em busca do empate. Saiu aos 17 minutos, com muitos méritos de Axel Witsel. O belga roubou a bola no campo de ataque e deu uma ótima enfiada para Jadon Sancho. O inglês cruzou de primeira e Paco Alcácer só teve o trabalho de empurrar às redes, três minutos depois de substituir Philipp. Foi a sexta assistência de Sancho em sete partidas disputadas na Bundesliga, apenas esta como titular.

A partir de então, o que se viu foi um tiroteio. O Augsburg quase empatou na sequência, em bola que Finnbogason mandou no travessão. Do outro lado, Sancho comandava a reação do Dortmund e gerou duas boas jogadas: a primeira, em escanteio que Manuel Akanji cabeceou e Martin Hinteregger salvou em cima da linha; a segunda, para Alcácer finalizar para fora. De qualquer forma, os bávaros achariam o segundo gol antes, aos 26 minutos. Após cruzamento da direita, André Hahn desviou e Philipp Max apareceu livre no segundo pau para arrematar.

O Dortmund não desistiu. Lucien Favre deixou o time mais ofensivo, com as entradas de Raphaël Guerreiro e Mario Götze. De tanto tentar, o novo empate se consumou aos 35. Falta cobrada em direção à área por Guerreiro, que a defesa não acompanhou e Alcácer apareceu livre para fuzilar. Já aos 39, aconteceu a virada. Götze fazia apenas sua estreia nesta Bundesliga, após participar da Copa da Alemanha e da Champions. Contou com o auxílio de Achraf, outro que voa baixo neste seu início no Signal Iduna Park. O lateral explorou mais uma vez o rombo no lado esquerdo da defesa bávara com um passe rasteiro e o camisa 10 se projetou livre, tocando com categoria para vencer o goleiro. Neste momento, até parecia que o jogo estava resolvido. Apenas parecia.

Um novo empate aconteceu aos 42. Escanteio cobrado por Philipp Max que Michael Gregoritsch cabeceou com autoridade, soberano dentro da defesa adversária. À sua torcida, fazia o sinal de que estava para resolver. O Dortmund partiu ao desespero nos minutos finais. Faltava um pouco mais de tranquilidade para acertar as finalizações, com Guerreiro, Alcácer e Witsel arrancando suspiros da torcida ao levarem perigo, mas não balançarem as redes. As bolas paradas eram a esperança. E a marcação de uma falta sobre Achraf aos 50 minutos, quando o relógio já havia estourado, deu um fiapo de esperança. Guerreiro estava preparado para bater, mas Alcácer saiu da área e pediu a bola. Confiança. Não era o melhor lado para o pé direito do espanhol, mais à direita da área. Entretanto, o centroavante botou o tempero necessário na bola. Bateu por fora da barreira, com curva. Contou com a barreira mal armada e também com a saída do último homem. Esperando que a bola viesse no seu canto, Luthe só assistiu a pelota entrando. Valeu a explosão da Muralha Amarela.

Os números de Alcácer em Dortmund são incríveis. Anotou sete gols em quatro partidas pelo novo clube, sendo que soma menos de 180 minutos em campo, apenas uma vez titular. E o resultado, em uma das partidas mais fantásticas da Bundesliga nas últimas temporadas, prova que a sorte dos aurinegros é outra nesta nova campanha. Nem tudo é perfeito, como as dificuldades no jogo aéreo demonstraram hoje. Entretanto, há uma combinação de talento, empenho e iluminação que vai fazendo a diferença neste início de campanha. Por aquilo que se apresentou até o momento, de fato o BVB é o melhor time da Alemanha nestes dois primeiros meses. Méritos de Lucien Favre, um treinador que possui uma mentalidade distinta de Jürgen Klopp, mas prima pelo estilo de jogo vertical e pela segurança que transmite. É o que se nota, aproveitando ao máximo o potencial de seu elenco.

Com a vitória, o Borussia Dortmund mantém a liderança isolada da Bundesliga. Conquistou 17 pontos em sete rodadas, único invicto da competição e dono do melhor ataque. Já o Augsburg faz uma campanha digna, considerando que já pegou os dois principais candidatos ao título. É o nono, com oito pontos e uma postura que merece aplausos pela dificuldade que impõe aos grandes. Ajudou a fazer o espetáculo deste sábado.