Se o Campeonato Brasileiro pode comemorar vários jogos interessantes, também tem que lamentar muitas e muitas arbitragens horríveis. A 22ª rodada foi pródiga nesse sentido. Dos oito jogos que foram disputados na última quarta-feira, quatro deles tiveram decisões equivocados dos homens que carregam o apito.

LEIA MAIS: O problema do Vasco não são os jogadores, mas a forma como o time foi montado

Um gol mal anulado contra Fluminense e Palmeiras nas derrotas para Corinthians e Goiás, respectivamente. Um pênalti não marcado para cada lado na vitória do Cruzeiro sobre a Ponte Preta, e mais um gol mal anulado de Borges a favor da Macaca.

O jogo mais polêmico foi Atlético Mineiro 0 x 1 Atlético Paranaense: o Galo reclama de nada menos do que quatro lances. E se o pênalti que reivindica em Patric parece exagerado, e o marcado em Ewerton, discutível, o segundo cartão amarelo para Marcos Rocha, mesmo dentro das novas orientações da CBF, teve excesso de rigor. E Thiago Ribeiro não estava em posição de impedimento quando arrancava em direção ao gol adversário e o bandeirinha levantou seu instrumento de trabalho.

Corinthians 2 x 0 Fluminense

Bola na área, um jogador do Fluminense desvia de cabeça, e Cícero recebe, livre, dentro da área. Marca o gol que seria o empate do Fluminense na Arena Corinthians, mas o árbitro marca impedimento. O jogador claramente estava em posição legal.

Goiás 1 x 0 Palmeiras

O placar estava 0 a 0, quando Robinho cobrou falta na área, a bola também foi desviada de cabeça, e chegou a Lucas Barrios, que empurrou às redes. O replay mostra que o paraguaio estava na mesma linha da defesa do Goiás.

Atlético Mineiro 0 x 1 Atlético Paranaense

O mais polêmico de todos os jogos, o que motivou críticas duras da direção do Atlético Mineiro. O primeiro erro veio em um lançamento para Thiago Ribeiro, que claramente não estava impedido e teria tudo para abrir o placar.

Ainda no primeiro tempo, o lateral Marcos Rocha sofreu uma falta quando subia ao ataque. Nas palavras do próprio árbitro na súmula, tudo que ele fez foi “reclamar de maneira acintosa e ostensiva, socando o ar e proferindo as palavras ‘pô, foi falta, foi falta’.” Levou o segundo amarelo e foi expulso. O lance que decidiu a partida foi um pênalti cometido por Víctor em Ewandro, do Atlético Paranaense. Esse cabe um pouco mais de interpretação que os outros lances. Ewandro foi atingido ou se jogou?

Ponte Preta 1 x 2 Cruzeiro

Infelizmente, não encontramos os vídeos desses lances disponíveis na internet. Mas na ESPN Brasil, o comentarista de arbitagem Sálvio Spinola explicou os dois pênaltis que deveriam ter sido marcados e o gol mal anulado de Borges.