Duas vezes campeão da Libertadores nas últimas três temporadas, o River Plate deu um passo importante rumo a mais uma final sul-americana, nesta terça-feira, ao dominar o Boca Juniors, no Monumental de Núñez e vencer por 2 a 0. A equipe de Marcelo Gallardo, especialista em vencer mata-matas sul-americanos, foi muito superior ao adversário e poderia até ter matado de vez a eliminatória com um placar mais amplo.

Nem em seus melhores sonhos o River Plate imaginaria que começaria a semifinal com um pênalti a favor logo aos quatro minutos. Houve uma marcação dupla em cima de Borré e, enquanto Izquierdoz pegou a bola, Emmanuel Mas foi na perna do atacante. Em um primeiro momento, o árbitro brasileiro Raphael Claus não marcou nada. A pelota seguiu rolando uns dois minutos até que ele tivesse a oportunidade de checar o assistente de vídeo. A infração foi marcada e convertida pelo próprio Borré.

 

O gol atrapalhou um pouco os planos do Boca Juniors que, por característica de abusar das bolas longas e pela geografia, esperava pegar o River Plate no contrapé. Não atrapalhou muito porque o time de Marcelo Gallardo não abriu de ditar o ritmo da partida e buscar um segundo gol, mas não criou muitas oportunidades em um primeiro tempo fraco tecnicamente.

O Boca Juniors também não, embora tenha tido a melhor oportunidade não aproveitada da etapa. Um dos lançamentos, de Reynoso, encontrou Ábila no mano a mano. Ele conseguiu limpar Milton Casco e rolou na medida para Nicolás Capaldo cometer o crime. E ele o cometeu, de certa forma, mas lesa Boca Juniors: isolou, livre e cara a cara com Armani.

Nicolás Capaldo incredible miss vs River Plate – Copa Libertadores semifinals. from r/soccer

Gustavo Alfaro deu alguns minutos de segundo tempo ao seu time antes de fazer a primeira substituição, com Tevez no lugar de Franco Soldano. O River Plate, porém, continuou dominando. Acertou a trave com Montiel e quase viu o próprio Boca marcar contra, em um lance incrível no qual a bola brincou de pinball com a defesa visitante antes de sair, bem pertinho da trave de Andrada.

O segundo gol do River Plate demorou para sair, mas antes tarde do que nunca. Aos 24 minutos, Ignácio Fernández abriu com Matías Suárez na direita e recebeu o passe de volta. Precisou apenas deslocar Andrada para dobrar a vantagem do campeão sul-americano. Ela quase foi ampliada, aos 30, com um chute colocado de Suárez da entrada da área, que Andrada precisou se esticar todo para enviar a escanteio.

 

Salvio fez uma boa jogada individual pelo meio antes de tocar para Capaldo, que bateu meio despretensiosamente, no meio do gol, mas Armani não quis arriscar e mandou para escanteio. Na sequência da jogada, o River Plate chegou com perigo mais uma vez. O cruzamento saiu da esquerda e Scocco, em ótima posição, cabeceou para fora.

Capaldo, 21 anos, encerrou uma noite para esquecer com um cartão vermelho nos minutos finais. Foi, no geral, um deserto de ideias do Boca Juniors, excessivamente dependente de bolas longas e paradas para levar algum perigo a Armani. No outro lado, o River Plate atuou como uma equipe madura, competente e acostumada às grandes decisões e, por isso, precisa apenas terminar o serviço na Bombonera.