O fisco italiano começou nesta terça-feira uma espécie de enquadro de clubes, jogadores e empresários por suspeita de sonegação fiscal e lavagem de dinheiro. A operação está investigando 41 clubes da Serie A e Serie B do país, incluindo Juventus, Milan, Inter, Roma, Lazio e Fiorentina. No total, 18 dos 20 clubes da Serie A tiveram documentos solicitados pela Guardia de Finanza, equivalente à Receita Federal da Itália.

Os policiais do órgão fiscal pediram documentos relativos a transferência de jogadores assinados por clubes, jogadores e empresários. São muitos clubes investigados: Juventus, Milan, Napoli, Lazio, Roma, Udinese, Parma, Pescara, Palermo, Atalanta, Juve Stabia, Benevento, Genoa, Catania, Spezia, Piacenza, Livorno, Bari, Vicenza, Siena, Reggina, Chievo, Cesena, Grosseto, Gubbio, Lecce, Ternana, Sampdoria, Triestina, Fiorentina, Portogruaro, Brescia, Mantova, Torino e Albinoleffe. A investigação ainda inclui o nome de 12 empresários.

Segundo o presidente da Udinese, Franco Soldati, os oficiais buscavam documentos específicos de dois empresários. O Chievo foi outro clube a se manifestar e dizer que os investigadores procuravam mais provas sobre empresários do que relativas ao clube em si.

O presidente da Internazionale, Massimo Moratti, também falou sobre o assunto. O clube não está na mira da receita, mas também foi solicitada a entregar documentos. “Nós estamos muito calmos. Nós iremos tentar entender melhor isso”, declarou o dirigente, dono da Inter desde 1995.

Grandes clubes italianos fazem parte de conglomerados de magnatas do país. Moratti é executivo-chefe da Saras, empresa petrolífera italiana. A Juventus é dirigida por Andrea Agnelli, da família que é dona da Fiat e da Ferrari. Silvio Berlusconi, ex-premiê italiano, é dono de diversas empresas de mídia, incluindo canais de TV e jornais.

O fisco italiano teme que os clubes sejam usados como uma forma de lavar dinheiro, embora não sejam casos como os estrangeiros donos de times na Inglaterra, por exemplo. A maior preocupação é mesmo com empresários e esse é um ponto que, se começarem a cavar, pode sair muita coisa feia. E muita gente pode acabar ferida com os monstros que saírem da terra – incluindo clubes condescendentes com essa festa de contratar um jogador do empresário só para conseguir outro, do mesmo profissional. É para acompanhar e ver onde isso irá chegar.