Em um jogo do nível da final da Champions League, qualquer falha tem um peso enorme. O Liverpool sentiu isso na pele do pior jeito possível. O goleiro Lorius Karius teve uma atuação desastrosa, entregando dois gols de forma ridícula que definiram a derrota do Liverpool por 3 a 1. No lado do Real Madrid, destaque para Gareth Bale, que entrou, marcou um golaço de meia bicicleta e outro que ele chutou de longe e viu o goleiro adversário empurrar para dentro. Assim, o time espanhol ampliou o seu domínio na Europa e alcançou o 13º título da Champions League.

ESPECIAL CHAMPIONS LEAGUE

O técnico Zinedine Zidane escolheu entrar em campo com a sua formação mais frequente, com a linha de frente formada por Isco jogando logo atrás de Karim Benzema e Cristiano Ronaldo. No lado do Liverpool, nenhuma surpresa na escalação, até porque o time não tinha muitas opções, especialmente depois da lesão de Alex Oxlade-Chamberlain na semifinal.

O jogo começou bastante equilibrado, com posse de bola bastante dividida. O Real Madrid tinha um pouco mais, mas era o Liverpool quem chutava mais a bola – embora quase sempre sendo bloqueado.

O jogo sofreu um golpe severo aos 30 minutos do primeiro tempo quando Sergio Ramos segurou Mohamed Salah, prendeu o braço do egípcio, que caiu de mal jeito. Ele tentou ficar em campo, mas não conseguiu. Saiu do gramado chorando.

Sem Salah, o jogo mudou completamente. O Liverpool, que tinha lances de perigo no ataque, parou de ser perigoso. A entrada de Adam Lallana tornou o time muito diferente, menos agressivo, e a bola passou a ficar muito mais com o Real Madrid. A força de ataque do Liverpool ficou minada.

Pouco depois, aos 37 minutos, Carvajal sentiu lesão depois de uma descida para o ataque. Saiu de campo, também chorando, assim como Salah. Foi substituído por Nacho. Os dois estão na lista de convocados de Julen Lopetegui para o grupo da Espanha que vai à Copa do Mundo.

Aos 42, a torcida do Liverpool sentiu um frio na espinha pela segunda vez no jogo. Depois de cruzamento para a área, Cristiano Ronaldo cabceceou, Karius fez grande defesa, mas a bola voltou para Benzema. A bola bateu nele e entrou, mas a arbitragem anulou o lance por impedimento. Ronaldo estava em posição irregular na hora do cruzamento, assim como Benzema, na hora do cabceceio do português.

O Liverpool parecia pedir pelo fim do primeiro tempo. O Real Madrid terminou o primeiro tempo com 66,6% de posse de bola, segundo dados da Opta Sports. O Liverpool chutou mais, é verdade, com 9 a 7. Dos 9 chutes a gol do Liverpool, porém, seis foram bloqueados. O time inglês não teve uma grande chance de gol limpa.

O Real Madrid cresceu muito depois da saída de Salah. Passou a habitar o campo de ataque e tentar encontrar espaços. O Liverpool mudou de esquema tático pela saída do seu principal jogador. Sem Salah, Mané e Firmino ficavam mais adiantados, com Lallana fechando o lado esquerdo e Wijnaldum fechando mais pelo lado esquerdo. Mesmo assim, Mané voltava muito para tirar os espaços. Foi o que mais o Liverpool fez nos 15 minutos finais do primeiro tempo: se defender. O intervalo, com o placar zerado, foi um alívio para os Reds.

No início do segundo tempo, aos dois minutos, Lallana, dentro da área, errou em um corte e Isco, com liberdade, chutou no travessão. Alexander-Arnold mandou para escanteio. Na cobrança, a bola acabou ficando com o Liverpool depois do cruzamento.

Aos cinco minutos, o goleiro Karius protagonizou o lance mais ridículo da final. Foi sair jogando e foi interceptado por Benzema, sem falta, tocou na bola e marcou 1 a 0 para o Real Madrid. Um banho de água gelada nos torcedores dos Reds. Mas a reação veio rápido. O Liverpool não demorou a empatar o jogo. Aos 10 minutos, Milner cruzou bola perigosa para a área, Lovren subiu alto e tocou de cabeça, e Mané, no meio do caminho, tocou para empatar o jogo. Um gol muito comemorado, que recolocava o Liverpool no jogo.

Aos 15 minutos, ótima chance para o Real Madrid. Isco recebeu dentro da área e chutou pressionado, mas Karius fez a defesa e mandou para escanteio. Logo depois, Isco deixou o campo e foi substituído por Gareth Bale. Em um cruzamento para a área de Marcelo, de pé direito, Bale deu uma meia bicicleta e acertou o ângulo, um golaço, aos 19 minutos. Novamente, colocou o Real Madrid em vantagem. Escancarou a diferença entre os times: no Liverpool, saiu Salah e entrou Lallana. No Real Madrid, saiu Isco e entrou Bale.

Com o placar novamente desfavorável, o Liverpool tinha uma montanha a escalar. O Real Madrid recuou, levemente. O Liverpool tentou avançar. Aos 24 minutos, depois de uma troca de passes, Mané recebeu de fora da área e chutou de pé esquerdo, mas a bola bateu na trave. Era o principal jogador do Liverpool em campo.

O Liverpool sofria para manter a intensidade. O Real Madrid chegou com perigo em uma finalização de Benzema, que Karius fez grande defesa para impedir o terceiro gol do Real Madrid. Grande jogada de Bale, que entrou muito bem. O Liverpool trocou Milner por Emre Can, mas nem deu tempo de fazer efeito.

O jogo acabou decidido aos 38 minutos. Bale recebeu a bola pela direita e chutou. A bola nem foi forte, nem teve muito efeito e parecia fácil para Karius. Parecia… O goleiro alemão engoliu um frango. Um lance que deixou os torcedores atônitos, sem acreditarem no que os olhos viam. O goleiro do Liverpool falhava pela segunda vez na noite.

Karius chorou e pediu desculpas à torcida depois do jogo (Photo by Laurence Griffiths/Getty Images)

Foi o golpe fatal no jogo. O Liverpool perdeu o resto de força que ainda tinha. O Real Madrid passou a ter muito espaço para contra-atacar e teve mais chances de ampliar o placar do que de sofrer algum gol. O jogo se encaminhou para o fim de forma melancólica para os ingleses.

Enquanto isso, o Real Madrid consolidava o seu domínio na Europa. Além do 13º título na história, foi o terceiro título consecutivo. Um tricampeonato que não acontecia desde o Bayern de Munique nas temporadas 1973/74, 1974/75 e 1975/76. O primeiro clube na era moderna a chegar ao tricampeonato.

Cristiano Ronaldo não brilhou na final, mas emplaca a sua quinta conquista de Champions League, uma pelo Manchester United e quatro pelo Real Madrid. Algo marcante. Assim como Marcelo e Casemiro, que se tornam os brasileiros mais vencedores da história, com quatro títulos cada um.

Karim Benzema e Gareth Bale, dois jogadores que estavam cotados para deixar o Real Madrid depois de temporadas abaixo do esperado, ganham moral depois da final. Benzema não foi brilhante, mas acabou marcando o gol aproveitando a bobeira de Karius, que foi importante na vantagem inicial. Bale entrou e foi decisivo, com dois gols, um deles um golaço.

Ficha técnica

Real Madrid 3×1 Liverpool

Local: Estádio Olímpico, em Kiev (UCR)
Árbitro: Milorad Mazic (SER)
Gols: Benzema, aos 5’/2T (Real Madrid), Mané aos 10’/2T (Liverpool)
Cartões amarelos: Sadio Mané (Liverpool)
Cartões vermelho:
nenhum

Real Madrid

Keylor Navas; Dani Carvajal (Nacho aos 37’/1T), Sergio Ramos, Raphäel Varane e Marcelo; Casemiro, Luka Modric e Toni Kroos; Isco (Gereth Bale, aos 16’/2T); Karim Benzema (Marco Asensio, aos 44’/2T) e Cristiano Ronaldo. Técnico: Zinedine Zidane

Liverpool

Lorius Karius; Trent Alexander-Arnold, Dejan Lovren, Virgil van Dijk e Andrew Robertson; Jordan Henderson, Georginio Wijnaldum e James Milner (Emre Can, aos 38’/2T); Sadio Mané, Roberto Firmino e Mohamed Salah (Adam Lallana aos 31’/1T). Técnico: Jürgen Klopp