Criadas apenas no início deste ano, as equipes femininas de São Paulo e Cruzeiro emplacaram grande campanha no Campeonato Brasileiro Feminino A2, chegando à decisão. Ambas estão classificadas para o Brasileirão A1, a elite do futebol feminino nacional, mas ainda resta definir quem leva o título da segunda divisão. E o São Paulo não poderia ter começado melhor o confronto: o Tricolor aplicou goleada de 4 a 0 contra as Cabulosas, neste domingo (18), no Pacaembu, mesmo com desfalques importantes.

O placar pode sugerir grande diferença entre os dois times, mas a história possivelmente seria diferente, caso alguns eventos no começo do jogo tomassem outro rumo. O Cruzeiro aplicou pressão sobre o São Paulo nos 15 minutos iniciais, mas uma falha da goleira Renata, em cruzamento de Bruna, abriu o caminho para a vitória tricolor. A arqueira não conseguiu segurar a bola levantada e acabou levando um frango.

Aos 23 minutos de jogo, aproveitando bola mal afastada da zaga do Cruzeiro, as são-paulinas chegaram ao segundo gol. Yayá recebeu bola ajeitada na intermediária e mandou uma bomba no ângulo esquerdo superior de Renata para ampliar para 2 a 0.

Com o bom resultado e sabendo administrar o jogo, o Tricolor dominou a segunda etapa e, com naturalidade, chegou ao terceiro e ao quarto gols. Primeiro aos 14 minutos do segundo tempo, com Ottilia descendo bem pela ponta direita e cruzando para o meio da área. Lá, Valéria precisou tentar duas vezes para enfim colocar a bola nas redes, com oportunismo.

O 4 a 0 então veio aos 22 minutos. Chaiane cobrou escanteio, e Cris subiu sozinha para cabecear e superar Renata.

O resultado surpreende. Apesar do ótimo trabalho ao longo da competição, com 100% de aproveitamento na fase de grupos e campanha de nove vitórias, um empate e uma derrota, o São Paulo não contava com a lateral Natane e a camisa 10 Ary, que cumpriram suspensão por três amarelos. Além disso, ainda não tinha a craque Cristiane, lesionada. E, por fim, o Cruzeiro não era nenhum adversário bobo: teve retrospecto melhor do que o Tricolor no caminho até a final, com dez vitórias e um empate em 11 jogos.

Independentemente de todas as circunstâncias, o São Paulo foi capaz de se impor. Uma pena que o grande desempenho não tenha sido prestigiado por mais gente no Pacaembu. O público foi tímido, e era difícil que não o fosse – afinal, a primeira parte da decisão aconteceu às 14h, duas horas antes da tão aguardada estreia de Dani Alves pela equipe masculina, que, naturalmente, chamou toda a atenção de grande parte da torcida, que foi em grande número ao Morumbi.

Esse é o tipo de tratamento que o futebol feminino não pode receber se as entidades forem lhe dar alguma chance de crescimento no Brasil. Outros jogos no Pacaembu neste ano tiveram presença melhor por falta de conflito com partidas do masculino.

De qualquer forma, o segundo jogo da final está marcado para o próximo domingo (25), no Mineirão. Como o jogo do Cruzeiro no Brasileirão masculino é às 19h, fora de casa, contra o CSA, dá tempo de o torcedor ir lá prestigiar as Cabulosas. Ainda que um resultado tão adverso na partida de ida possa esfriar o interesse na partida de volta.