Se ao time masculino do Corinthians a Libertadores representou por muito tempo um pesadelo, as mulheres alvinegras logo afirmaram sua força além das fronteiras. Após a conquista continental de 2017, o clube tentará o bicampeonato da Libertadores Feminina em 2019. Nesta sexta, as corintianas até demoraram para construir o placar no Estádio Olímpico Atahualpa, mas passaram com autoridade pelo América de Cali nas semifinais. A vitória por 4 a 0 garante a equipe na decisão, na qual enfrentará a Ferroviária. Será a primeira vez que a competição sul-americana feminina terá uma final entre dois times brasileiros.

Invicto na competição, o Corinthians levava consigo o favoritismo diante do América de Cali. As alvinegras tinham a iniciativa desde o pontapé inicial, mas encontravam dificuldades para romper a marcação das colombianas. Aos 17 minutos, entretanto, o jogo se abriu às alvinegras: a goleira Nathalia Giraldo fez uma defesa com as mãos fora da área para evitar o gol das adversárias e recebeu o justo cartão vermelho. A expulsão condicionou o cenário às brasileiras.

Ainda assim, o Corinthians demorou a aproveitar sua vantagem numérica. Faltava um pouco mais de tranquilidade para construir as jogadas e superar a defesa do América. A pressão só deu resultado aos 47, com o primeiro gol da equipe. Em uma sobra de bola, Millene girou sobre a marcação e fuzilou. Era ao menos uma segurança antes da etapa complementar.

A situação não mudou muito para o Corinthians durante o segundo tempo. O time manteve o domínio, mas com problemas para transformar sua superioridade em gols. Aos oito minutos, uma falta na goleira anulou um tento às corintianas. Além disso, a equipe perdoou em algumas chances claras. Somente depois dos 29, quando o cansaço também pesou às colombianas e a entrada de Tamires ajudou as paulistas, é que a porteira realmente se abriu.

O segundo gol foi anotado outra vez por Millene, que tirou a goleira do lance antes de mandar para dentro. Cinco minutos depois, a partir de um escanteio, seria a vez de Crivelari desviar para Erika arrematar. Por fim, o placar se fechou aos 38. Moniquinha lançou e Grazi bateu bonito dentro da área, para confirmar a goleada. Ao final, as alvinegras puderam diminuir o seu ritmo. Mesmo em uma atuação que demorou a engrenar, o Corinthians fez valer a sua fama.

Em 2017, quando ainda tinha parceria com o Audax, o Corinthians venceu o Colo-Colo em sua primeira final continental. Agora, pegará a Ferroviária, que também luta pelo bicampeonato da Libertadores. Será uma oportunidade para as corintianas se vingarem da final do último Campeonato Brasileiro, em setembro, quando as grenás garantiram o título nos pênaltis. A decisão única acontecerá na próxima segunda-feira, no Estádio Olímpico Atahualpa. Um jogaço, que determinará quem voltará para o país com a taça.