Despedidas costumam ser tristes e são difíceis mesmo quando são pacíficas e alegres. A história da carreira de Filipe Luís no futebol inegavelmente estará para sempre ligada ao Atlético de Madrid. O brasileiro, de 33 anos, se despede do clube que se tornou o do seu coração, depois de oito anos vividos na capital da Espanha. Como ele próprio disse, viveu alguns dos anos mais gloriosos da história do time rojiblanco, quebrando recordes, ganhando títulos e fazendo história. Se despede com 333 jogos oficiais disputados e um mundo de lembranças que jamais serão esquecidas nem por ele, nem por sua família.

Nascido em Jaraguá do Sul, interior de Santa Catarina, Filipe Luís começou a sua carreira no Figueirense, em 2003. Foi para o Ajax no ano seguinte, em agosto de 2004, iniciando assim a sua trajetória europeia, aos 19 anos. Curiosamente, depois do Ajax foi para o Real Madrid Castilla, o time B dos merengues, em 2005. Passou uma temporada por lá, mas não ficou. De lá, foi para o Deportivo La Coruña, em 2006. Ficou no clube de Coruña até 2010, quando, enfim, foi contratado pelo Atlético de Madrid por € 12 milhões.

Teve primeiros meses muito difíceis em Madri, mas as coisas começaram a mudar. Conquistou a Liga Europa em 2011/12, Copa do Rei, em 2013/14, em cima do rival Real Madrid, e La Liga, em 2013/14, mesmo ano que o time foi até a final da Champions League, mas acabou derrotado pelo Real Madrid. Depois, foi para o Chelsea junto com Diego Costa, trabalhar com José Mourinho.

Ficou apenas uma temporada na Inglaterra, mas decidiu voltar, aceitando uma redução do salário que ganhava para retornar ao clube. Ficou mais quatro anos no time de Diego Simeone, com a conquista de mais uma Liga Europa, além da Supercopa da Uefa e mais uma vez chegar à final da Champions League – outra vez derrotado pelo Real Madrid.

Filipe Luís com a camisa do Atlético de Madrid (Getty Images)

Filipe Luís teve uma postura muito elogiável neste adeus. Foram oito anos vestindo a camisa do Atlético, um time enorme na Espanha, com uma torcida que ganhou o coração do brasileiro. A decisão sobre a sua continuidade foi adiada para depois da Copa América, que ele conquistou, adicionando à sua galeria de títulos. Com a contratação de Renan Lodi, o Atlético está bem servido na posição e Filipe Luís decidiu não ficar.

Ainda não anunciou acerto com ninguém, ainda que o Flamengo pareça estar perto de contratá-lo, mas teve uma postura íntegra, correta e tratou o Atlético de Madrid como deveria: com a prioridade de ser o clube da sua vida. Decidiu que não ficará, mas só irá anunciar qualquer coisa de futuro depois de se despedir apropriadamente do clube que, segundo ele mesmo, é o que está no seu coração. E deixou claro que pretende voltar a Madri para trabalhar pelo clube quando encerrar a sua carreira como jogador. Aos 33 anos, decidiu continuar jogando, mas longe do Atlético.

O presidente do clube, Enrique Cerezo, reservou palavras de muito carinho ao lateral esquerdo. “Nos despedimos de um dos nossos, obrigado pela sua entrega, esforço e compromisso. Você é uma lenda do Atlético, disputou 333 partidas oficiais sendo dono do lado esquerdo. Conquistou sete títulos que quase são teus, sabemos que o que mais sonhou foi a final da Copa, mas todos são importantes. Sempre levará o Atlético no coração e levará paixão ao nosso clube. Esta sempre será a sua casa, obrigado em nome dos torcedores e do clube”, afirmou o dirigente. Palavras fortes, que raramente são proferidas a um jogador que está de saída.

Antes de passar a palavra ao brasileiro, Cerezo ainda brincou com uma das paixões de Filipe Luís. “Não pudemos te dar um encontro com Clint Eastwood, como apaixonado por cinema como é, mas talvez porque Clint Eastwood não viaje muito, não pôde acontecer. Espero que algum dia possa conhecê-lo. Em nome de todos, de todos que vieram, que você vá muito bem, seus sucessos também serão nossos”, disse o dirigente.

“Este é um ato de despedida, mas eu chamaria de ato de agradecimento. Minha mulher e meus filhos me acompanharam nesta despedida, quero agradecer a Miguel Ángel por confiar em mim quando estava lesionado no Depor e depois por me permitir voltar de Londres e viver outros quatro anos melhores”, disse um emocionado Filipe Luís.

“Ao presidente por sempre me tratar bem, agradecer a todos os treinadores que tive, tivemos muitas batalhas juntos, conversas e sempre pelo bem comum da equipe. Sou um privilegiado, vive a melhor etapa deste clube, tenho muita sorte. Agradecer a todos que estão aqui e aos meus companheiros que estiveram comigo. Foram grandes momentos, partidas difíceis, nunca poderia ter feito nada sem Koke, que fez mais por mim que qualquer outro, correu mais do que todos. Para mim não é um dia triste. Eu vou com a consciência tranquila, eu dei tudo, trabalhei, lutei, dei tudo por esta camisa, deixo a camisa a um lateral jovem, brasileiro que vai entregar boas partidas”, disse ainda o lateral.

Filipe Luís na sua despedida (Ángel Gutiérrez)

“Nunca imaginei que ia terminar com 333 partidas, não imaginei poder viver as partidas no Wanda. Foi especial e único. A todos os funcionários, obrigado mais uma vez. É a minha despedida como jogador, mas no futuro estarei vivendo a minha vida neste clube. Às pessoas da imprensa, as críticas me ajudaram a crescer e os elogios me fizeram me sentir o melhor lateral do mundo”, continuou o brasileiro.

Koke, seu companheiro e amigo, também dedicou palavras ao lateral da seleção brasileira. “Agradeço a você por todos esses anos, foram maravilhosos, falávamos que nos encantava jogar juntos, com o famoso tiki taka, vivemos grandes momentos, agradeço a você por todo que fez pelo Atlético, foi um dos melhores laterais do mundo. Eu vou sentir a sua falta em campo e principalmente fora dele”, afirmou o meio-campista, um dos líderes do elenco do Atlético.

Em uma das perguntas sobre o Atlético, Filipe Luís se derreteu pelo clube. “O Atlético acaba entrando no seu coração. No Chelsea, eu olhava as partidas e me doía a alma ter saído mal do Atlético, hoje eu tenho uma oportunidade única. O Atlético é o meu clube de coração, minha equipe, sou um torcedor a mais. Ontem eu vi a partida de pré-temporada, é muito difícil me separar do Atlético. Para que o Atlético funcione, muita gente deve deixar o bem estar de lado para se colocar a serviço do clube, muitos sacrifícios pelo Atlético. Quando eu parar de jogar, vou me sacrificar pelo clube para ajudar mais”, disse Filipe Luís.

Como era de se esperar, o jogador foi perguntado sobre o Flamengo, que tornou público há muito tempo interesse em contar com os serviços do jogador da seleção brasileira. “Há conversas e estou negociando com o Flamengo, mas já falaremos sobre isso”, disse, desviando do assunto. Segundo o Globoesporte.com, o jogador já está certo no rubro-negro. Ainda teremos que esperar para saber se oficialmente isso se confirmará. Seja como for, a postura de Filipe Luís perante o Atlético só mostra como é um jogador que respeita demais a instituição e a camisa rojiblanca, que tanto tempo defendeu.

Chegar a um clube grande não é fácil, mas declarar palavras de carinho ao assinar um contrato com um time deste tamanho é. Saber sair do clube, porém, não é tão simples e nem todo mundo parece ter a altivez que Filipe Luís mostra neste episódio. O lateral tratou o Atlético com todo respeito possível, encerrou todas as conversas com o clube, anunciando a sua despedida, depois de decidir que não ficaria mais por lá.

Se despede homenageado, o que também é raro. Nem todos que deixam os clubes ganham palavras de tanto carinho, seja de dirigentes, seja de torcedores, seja de companheiros, e até do técnico. Filipe Luís mostrou uma postura que todo torcedor espera que os jogadores tenham, mas que nem todos possuem a grandeza para ter.

Em um futebol que muitos clubes destratam jogadores e tantos jogadores não respeitam as instituições, Filipe Luís é um cara diferente. E, por isso, merece, além de todo respeito que um profissional sempre merece, toda a admiração de ser um jogador que se preocupa com detalhes que fazem toda a diferença, daqui até a eternidade.

Camisa Atlético de Madrid 1970 - Modelo I
Uma camisa retrô do Atlético de Madrid, relembrando o modelo de 1970
A Trivela pode ganhar comissão sobre a venda.

*****

Estamos também no YouTube! Confira nosso último vídeo e se inscreva no canal para fortalecer o jornalismo esportivo independente em mais um meio: