O Atlético de Madrid anunciou nesta terça-feira a volta de Filipe Luís ao clube, depois de uma temporada esquentando o banco do Chelsea. A transferência era especulada desde que a temporada ainda estava em andamento. Os rojiblancos pagaram € 16 milhões para ter de volta o brasileiro, de 29 anos. O acordo demorou a ser fechado porque os dois clubes não entravam em acordo pelo valor a ser pago. O Chelsea pedia o mesmo que pagou, € 20 milhões, enquanto o Atlético queria pagar um valor menor, já que o jogador ficou a maior parte da temporada na reserva dos Blues e, portanto, avaliam que se desvalorizou. No fim, chegaram a um acordo por € 16 milhões.

LEIA TAMBÉM: Ninguém no mundo jogou mais do que Godín nos últimos dois anos

Quando Filipe Luís foi vendido ao Chelsea ao final da temporada 2013/14, tinha sido o melhor lateral esquerdo da Europa. Campeão espanhol e finalista da Champions League, tinha sido melhor que o compatriota Marcelo, que estava na seleção brasileira. Ele não foi para a Copa. O reserva da posição foi Maxwell, do Paris Saint-Germain. Filipe Luís merecia estar no grupo – ser titular é outra história.

A temporada de Filipe Luís no Chelsea foi decepcionante. Em parte, porque ele recebeu menos chances do que deveria. Foram 26 jogos na temporada, sendo 20 deles como titular. Marcou um gol e fez um passe para gol. Não conseguiu desbancar o espanhol César Azpilicueta, que é originalmente lateral esquerdo, mas tem atuado do lado esquerdo. Sua boa capacidade de marcação foi fundamental para ele manter a posição, mas Filipe não conseguiu ter atuações do mesmo nível das temporadas no Atlético. Não ganhou a confiança do técnico José Mourinho e acabou tornando-se dispensável ao final da temporada.

Não quer dizer que Filipe Luís tenha deixado de ser um grande lateral e o Atlético de Madrid – e o próprio Chelsea – sabem disso. Filipe quer jogar e sabe que terá poucas chances para isso no clube inglês. Aos 29 anos e com muito futebol, ele sabe que precisa jogar. O Atlético de Madrid não encontrou um substituto à altura do brasileiro, nem no compatriota Guilherme Siqueira, que veio do Benfica e não se firmou.

“Todos já conhecemos Filipe Luís. Nos reforçamos com um dos laterais mais talentosos do mundo. Já conhece o nosso clube e nossa forma de jogar, por isso estamos convencidos que a sua adaptação será imediata”, declarou José Luis Pérez Caminero, diretor esportivo do clube. Filipe Luís assinou um contrato de quatro anos com o clube, pelo qual fará a sua segunda passagem. Em 2010, ele foi contratado junto ao Deportivo La Coruña, depois de bons anos defendendo o clube da Galícia. No Atlético, tornou-se um jogador essencial ao esquema de Diego Simeone.

O Chelsea especula contratar outro brasileiro como reposição, o ex-gremista Alex Telles, atualmente no Galatasaray. O Atlético de Madrid, por sua vez, ganha uma opção de alto nível para a sua lateral esquerda, que chega para ser titular. A transferência de Filipe Luís acaba sendo boa para todo mundo. Para o jogador, que vai chegar para jogar em um clube que conhece bem; para o Atlético de Madrid, que ganha uma grande opção na lateral esquerda; e para o Chelsea, que consegue um dinheiro razoável por um jogador que estava insatisfeito na reserva e pode buscar uma opção que possa ter mais futuro, como Telles, que tem 22 anos. Dizem que um bom negócio é quando é bom para todas as partes. Parece ser o caso.