Em alguns países com menos tradição no futebol, basta construir uma carreira sólida para ser considerado entre os grandes jogadores locais. A Finlândia é um bom exemplo disso. Jari Litmanen e Sami Hyypiä aparecem entre os nomes obrigatórios da nação, por aquilo que jogavam, mas também pelo muito que viveram nas principais ligas da Europa. E o goleiro Jussi Jääskeläinen pode ser incluído neste rol seleto. O finlandês atuou por mais de duas décadas no Campeonato Inglês. Por mais que não tenha o talento de Litmanen ou a liderança de Hyypiä, não deve ser menosprezado pela história que escreveu na Premier League, sobretudo no Bolton. Figurinha carimbada entre os arqueiros da liga, merece aplausos por tudo o que conseguiu, na semana em que anuncia sua aposentadoria.

Jääskeläinen despontou no próprio Campeonato Finlandês, defendendo MP Mikkeli e VPS Vaasa, antes de se transferir à Inglaterra. Em tempos nos quais os jogadores nórdicos tinham bom trânsito na Premier League, o novato de 22 anos foi pinçado pelo Bolton, para ser reserva da equipe. Era apenas o segundo finlandês a atuar no campeonato, seguindo os passos de Mixu Paatelainen, atacante do próprio Bolton até a temporada anterior. Jääskeläinen, todavia, sequer entrou em campo em 1997/98, quando os Whites acabaram rebaixados. E foi na segunda divisão que ele acabou abrindo caminho para se tornar uma lenda do clube.

Titular logo no retorno à atual Championship, Jääskeläinen auxiliou o Bolton a conquistar o acesso na terceira tentativa. E seguiu como um dos homens de confiança dos Whites na primeira divisão. Que não sonhasse com as primeiras colocações, o clube sempre se manteve firme na elite do Campeonato Inglês, e até pintou na Copa da Uefa em duas oportunidades. Contava com um goleiro bastante regular, que às vezes podia parecer desengonçado e nem sempre agarrava os chutes, mas era reconhecido pela agilidade e pelas saídas de gol. Algumas defesas, aliás, se tornaram míticas. Uma sequência contra o Manchester United, em chutes de Paul Scholes e Andy Cole, foi eleita uma das mais espetaculares nos 20 anos da liga. Além disso, ele chegou a pegar dois pênaltis em um mesmo jogo contra o Blackburn, o que aumentou sua fama.

Jääskeläinen se manteve inquestionável na meta do Bolton por 13 temporadas consecutivas, 10 delas na primeira divisão. Enfrentou alguns dos melhores atacantes do mundo e acumulou os seus milagres. Trajetória longeva que sustentou a sua reputação na Premier League. Não à toa, o finlandês ganhou diversas homenagens por suas marcas alcançadas. É o terceiro atleta com mais partidas disputadas pelos Whites, chegando a 530. Além disso, está entre os dez jogadores estrangeiros que mais vezes atuaram na era Premier League. Um número complementado após sua saída do Bolton, em 2012, quando perdeu espaço para Ádám Bogdán e o time acabou rebaixado.

Apesar da ausência de seu antigo clube na elite, Jääskeläinen continuou na primeira divisão. E teve um desempenho satisfatório no West Ham, onde jogou por três temporadas – titular em metade deste período. Depois, aceitaria o convite para tentar reerguer o Wigan, e teria sucesso na missão. O único título da carreira aconteceu na League One, levando a equipe de volta à segunda divisão. Em 2016/17, acumulou algumas aparições na Championship, até decidir se aventurar na Super League Indiana. A deixa para que pendurasse as luvas nesta semana, ao término de seu contrato com o Atlético de Kolkata. Aos 42 anos, planeja seguir em frente como treinador de goleiros.

Pela seleção finlandesa, Jääskeläinen lidou com a parelha concorrência em sua posição. Costumava se revesar com Antti Niemi, outro goleiro que jogou por anos na Premier League, mas sem o mesmo impacto. Jääskeläinen tomaria a posição a partir da metade final da década passada, sem resultados expressivos. Despediu-se da equipe nacional em 2010, com 56 partidas disputadas. E deixaria a meta bem guardada com Lukáš Hrádecký, um digno substituto, que caminha para erguer reputação parecida na Bundesliga.

Se não pode ser incluído entre os melhores goleiros do mundo em sua época, e tinha suas fraquezas, Jääskeläinen é ao menos um nome para ser lembrado. Fez o seu trabalho com competência, produziu suas grandes defesas e virou ídolo de um clube tradicional. Dentre os jogadores que passaram pela Premier League neste século, foi um dos figurantes mais frequentes. O suficiente para que seja vinculado a uma era da competição.