O comitê de ética da Fifa divulgou relatório que traz provas de suborno ou tentativo de suborno de Mohammed Bin Hammam e Jack Warner no processo eleitoral para presidência da Fifa.

O relatório de 17 páginas detalha testemunhos e provas escritas e orais sobre a tentativa de suborno. Uma testemunha de Bahamas, Bermuda enviram testemunho “crível e coerente” que eles receberam envelopes marrons com US$ 40 mil, em pacotes de US$ 10 mil com notas de US$ 100. Fred Lunn, dirigente de Bahamas, fotografou o pacote e enviou as fotos à Fifa.

Warner apresentou sua defesa com documentos e testemunho oral ao comitê de ética da Fifa, mas o relatório diz que a defesa trouxe apenas “declarações que servem a si mesmo” e não conseguiu dar uma explicação plausível ao comitê.

O relatório diz que Bin Hamman teria enviado o dinheiro para conseguir os votos na eleição presidencial, com Warner servindo de ponte para o catariano.

Warner pediu demissão dos seus cargos no futebol e a Fifa alegou que permaneceria o “princípio de inocência” e, com isso, a investigação foi terminada. Bin Hammam voltou a alegar inocência de qualquer ato ilícito.