Fifa arquiva investigações contra Bin Hammam por corrupção

Ex-presidente da AFC, Bin Hammam era acusado de subornar dirigentes caribenhos na campanha pela presidência da Fifa, concorrendo com Sepp Blatter

A Fifa decidiu arquivar os inquéritos sobre Mohamed Bin Hammam, ex-presidente da Confederação Asiática de Futebol (AFC), por suspeitas de corrupção. O catariano era acusado de tentar subornar dirigentes caribenhos durante sua campanha pela presidência da Fifa, em candidatura opositora a Sepp Blatter.

Entretanto, diante da falta de provas, o chefe do Comitê de Ética da Fifa, Michael J. Garcia, optou por encerrar o caso. As investigações contra Bin Hammam só serão reabertas diante de novas evidências sobre as supostas irregularidades.

“Essa investigação foi focada nos eventos que aconteceram no encontro da União de Futebol do Caribe, em Trinidad e Tobago, em maio de 2011. Com respeito à conferência, não foram descobertos novas provas por trás das evidências que geraram o banimento de Bin Hammam junto ao Tribunal Arbitral do Esporte (TAS). Desta forma, a câmara investigatória foi fechada, aguardando novas evidências”, declarou a entidade, em nota oficial.

Em decisão tomada pela Fifa, Bin Hammam havia sido suspenso pelo resto da vida de atividades ligadas ao futebol, mas conseguiu reverter a punição depois de recorrer ao TAS. Ainda assim, o catariano continua suspenso da AFC por irregularidades na gestão financeira, embora também tenha apelado nas cortes suíças contra a medida.