As discussões entre Alex Ferguson e Rio Ferdinand não tiveram prosseguimento no Manchester United. O zagueiro foi criticado pelo treinador no último sábado, quando se recusou a vestir a camisa de uma campanha contra o racismo no aquecimento do jogo contra o Stoke City. Nesta segunda-feira, porém, o escocês deixou claro que a situação já foi esclarecida e que segue contando com o veterano para o restante da temporada.

“Meu conselho para ele é que sempre sinto a Associação de Jogadores Profissionais (PFA) mais forte que qualquer indivíduo e é importante que ele leve suas queixas para as pessoas certas. Realmente tem sido um problema de comunicação. Obviamente, como técnico do clube, você não quer ser ignorado quando estabelece uma política. Por isso fiquei com raiva no sábado. Mas resolvemos a situação e seguimos em frente. É o fim do assunto”, disse.

“Rio pode jogar por mais dois ou três anos. Ele tem um histórico de lesões diferente de Scholes ou Giggs. Ele não é tão rápido como antes, mas sua experiência é importante. Ele continua sendo um grande jogador e, apesar de ter 33 anos, não há razões para que ele deixe o United. Nós sempre adotamos a política de oferecer contratos de uma temporada, por isso veremos como a situação progredirá”, completou.

Além de Ferdinand, outros 14 jogadores se recusaram a participar da campanha, assim como os elencos inteiros de Swansea e Wigan. Com contrato até junho, o defensor disputou sete partidas na atual temporada, seis delas pela Premier League.