Radja Nainggolan foi a grande contratação da Internazionale para a temporada 2018/19. Não foi nem muito bem e nem muito mal, mas a reputação de ser um jogador que atrai problema é bem conhecida. Quando Antonio Conte assumiu as rédeas, seu futuro em nerazzurri estava fadado. A surpresa foi ter acertado o retorno para o Cagliari, no qual Nainggolan espera provar que a Inter estava errada em se livrar dele.

O clube da Sardenha faz um ótimo início de Serie A, com sete vitórias, quatro empates e duas derrotas nas primeiras 13 rodadas. Está em quarto lugar. “Quero provar que a Internazionale cometeu um erro”, disse, à Eleven Sports. “Estou jogando bem, e os resultados do Cagliari são bons. É uma grande vitória para mim, mesmo que eu não queira comemorar muito cedo”.

Incomoda Nainggolan a facilidade com a qual rótulos são colocados em jogadores de futebol. Ele, por exemplo, tem que conviver com a fama de ser fumante. “Eu li que Sven Nys (ciclista belga) não conseguia acreditar que eu fumava, mas como um ciclista pode dizer algo sobre um jogador de futebol? Eles se sentam na bicicleta por sete horas; eu tenho que correr uma hora e meia. Não é comparável”, afirmou. “Há tantos jogadores que fumam. Quando estamos com a seleção, eu ficava com seis ou sete jogadores, mas o único que eles viram fumando fui eu”.

A seleção belga, aliás, é página virada para o meia de 31 anos que representou o time nacional 30 vezes. “Tomei uma decisão e pensei sobre isso por muito tempo. Se outro treinador chegar ou não, não importa mais”, afirmou. “Antes da Copa do Mundo, Roberto Martínez disse que não poderia me dar o mesmo papel que eu tinha na Roma. Eu havia jogado uma semifinal de Champions League naquela temporada. Para mim, acabou ali. Nunca ouvi nada além disso”, encerrou.

Nainggolan jogou marcou três vezes e deu três assistências (todas no mesmo jogo) em dez rodadas pelo Cagliari na Serie A.