Nos últimos tempos, muito se tem discutido sobre a relevância dos estudos no futebol. Com cada vez mais técnicos aliando a prática a conceitos do jogo, unindo campo e teoria, e os clubes cada vez mais adotando profissionais específicos para expandir ideias inovadoras e benéficas ao esporte, o debate tende a crescer ainda mais. Dentro desse contexto de aperfeiçoamento do futebol através de estudos, a Federação Portuguesa de Futebol (FPF) apresentou, nesta terça-feira, um projeto bem interessante. A entidade lançou uma escola de cursos de formação voltados para pessoas que trabalham com o esporte. Dirigentes, treinadores, árbitros, jogadores, profissionais de saúde, jornalistas ou família.

LEIA TAMBÉM: Mau gosto de organizada do Porto faz o ‘impossível’: unir rivais em respostas

Depois da construção da Cidade do Futebol, um complexo que mistura centros de treinamento para as seleções de Portugal com sede administrativa, a Federação Portuguesa manda mais uma bola para dentro com a Portugal Football School. Na cerimônia de apresentação da ‘escola’ que oferecerá formação a todos que estão envoltos no meio do futebol, Fernando Gomes, presidente da federação, afirmou que “chegou a hora da entidade assumir sua responsabilidade social”. Ainda de acordo com ele, “até 2020, todos os clubes licenciados na FPF deverão ter um dirigente formado na Portugal Football School”, o que é uma ideia inovadora e influenciará positivamente nas gestões dos clubes e fará com que as ligas do país e o nível do futebol português, como consequência, se otimizem junto.

“A Portugal Football School é uma unidade da federação que está em estreita colaboração com a oferta formativa existente nas universidades. Até agora, a formação tem estado centrada em dois vetores principais: treinadores e árbitros”, explicou André Seabra, diretor do projeto. Segundo ele, a oferta de formação para pessoas diretamente ligadas ao jogo se estenderá e estará integrada em oito sub-divisões: treinadores, árbitros, dirigentes, jogadores, mídia e sociedade, saúde e performance, instalações esportivas e investigação e desenvolvimento. Haverá também oferta de formação para jornalistas e comentaristas esportivos.

Um ponto importante é que o projeto terá parceria com diversas instituições de ensino superior espalhadas pelo país, além de que trabalhará coletivamente com o Sindicado dos Jogadores. O início da formação em algumas das áreas está marcado para junho deste ano, mas Manuel Heitor, Ministro da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior de Portugal, já vê com muito bons olhos a iniciativa da Federação Portuguesa. No evento de apresentação da Portugal Football School, ele saudou a entidade por ter idealizado e concretizado o projeto e destacou a necessidade de aprofundar o conhecimento científico na área do futebol e elogiou a iniciativa, que, de fato, é bastante promissora.


Os comentários estão desativados.