Os clubes da Premier League decidiram: irão fechar a janela de transferências mais cedo na próxima temporada. Antes da liga começar em 2018/19, não será mais possível fazer contratações. A ideia dos clubes e técnicos é acabar com as incertezas com rodadas sendo disputadas antes do fim da janela. A ideia é boa, mas, como diria Garrincha, faltou combinar com os russos. A medida teria efetividade se todas as grandes ligas fechassem a janela mais cedo, o que parece uma boa ideia. Como só a Premier League decidiu fazer isso, os clubes ingleses podem acabar ficando sob risco e, pior, não resolver o problema nem internamente.

LEIA TAMBÉM: Uefa apoia ideia da Premier League de fechar janela de transferências mais cedo

A decisão é que a janela inglesa fechará na última quinta-feira antes do início da Premier League. Isso significa, na temporada 2018/19, no dia 9 de agosto. Menos de um mês depois do fim da Copa do Mundo, no dia 15 de julho. As principais ligas da Europa continuam com a janela de transferência para o dia 31 de agosto. A Football League, que dirige da segunda à quarta divisão inglesa, deve seguir a decisão da Premier League e também fechar a sua janela antes do início da temporada. A janela não será menor: ela só irá começar antes do dia 1º de julho, data atual da abertura da janela. O tempo será o mesmo, mas com prazo iniciando e terminando antes para os ingleses.

“Havia uma grande preocupação que a Premier League tem jogado duas ou três rodadas com um certo grau de incerteza entre eles”, afirmou o presidente executivo da Premier League, Richard Scudamore, à Sky Sports. “Não foi uma decisão unânime, mas ninguém estava patologicamente revoltado com a situação. Mas há algumas preocupações de alguns clubes que, ainda que eles não possam contratar mais jogadores, os jogadores continuam podendo ser vendidos para ligas que não fecharam suas janelas. Isso significa que eles não podiam apoiar a decisão”, contou o dirigente. Não foi revelado quantos clubes foram contra a medida, mas para ser aprovada, a ideia teve o apoio de ao menos 14 dos 20 clubes.

A preocupação desses clubes faz sentido. Pense na situação do Liverpool com Philippe Coutinho. O jogador queria ir para o Barcelona, que fez propostas para levá-lo. A mudança da janela inglesa para fechar mais cedo não mudaria uma vírgula da história. A janela inglesa fecharia, o Liverpool seguiria não querendo vender, o jogador seguiria querendo sair, o Barcelona tentando contratar. Não melhoraria a situação. A Premier League deu o seu pontapé inicial no dia 13 de agosto, uma sexta-feira, quando o Arsenal jogou com o Leicester. A janela poderia ter fechado um dia antes, como é a proposta atual, e a incerteza sobre a saída ou não do brasileiro permaneceria até o dia 1º de setembro, quando fecharia a janela da Espanha.

LEIA TAMBÉM: Por um atraso de 14 segundos, Adrien Silva corre o risco de só poder jogar pelo Leicester em janeiro

Não evitaria a situação de Coutinho, mas certamente diminuiria o problema de Alexis Sánchez, do Arsenal, e Virgil van Dijk, do Southampton, que tinham transferências especuladas para outros clubes ingleses. E, mesmo nesses casos, clubes de outras ligas poderiam se beneficiar de ingleses não conseguirem o acordo e tentar contratar esses jogadores já com os clubes da Premier League de mãos atadas. E pensando em clubes menores, a situação pode ser ainda mais complicada. Um destaque de um clube pequeno da Premier League pode ser assediado por grandes clubes do continente sem que esse clube possa repor a sua eventual saída.

Ronald Koeman, técnico do Everton, disse que espera que outras ligas da Europa sigam a medida e demonstrou preocupação se isso não acontecer. “Se nós fizermos isso na Premier League e o resto da Europa não fizer, nós ainda teremos um problema”, afirmou Koeman. “O melhor é [fechar] antes das competições, parar a janela de transferências porque é muito estúpido”, continuou o técnico do Everton.

José Mourinho, técnico do Manchester United, é um dos que era a favor da medida e já tinha declarado que a janela de outros países fechar depois não é, na visão dele, um problema. “O risco é mínimo e mesmo aqueles clubes poderosos sabem que se não podemos contratar jogadores, nós não iremos vender”, afirmou. Isso faz sentido no mundo ideal e, especialmente, entre os grandes clubes. Para o Burnley segurar um jogador que interesse a um clube de outro país, porém, pode ser bem mais complicado.

Fechar a janela mais cedo é uma boa ideia pensando na temporada. Mas isso só faz sentido se for na Europa inteira. Com o apoio do presidente da Uefa, Aleksander Ceferin, é possível que a medida da Premier League tenha efeito dominó. Só que há houve um indicativo contrário. Javier Tebas, presidente da liga espanhola, disse que não via problema da janela de transferências fechar só depois do início das ligas nacionais. Não parece disposto a mudar isso.

Nesta temporada, com um dia a mais, a Espanha continuou tentando tirar jogadores das outras ligas. Com tanto tempo mais que as inglesas, isso pode se tornar um problema. Há preocupações sobre a inflação dos preços, que já acontecia pelos ingleses terem enchido os bolsos com um acordo de TV enorme. E com a vantagem de poder comprar depois, pode ser que outras ligas não mudem mesmo. A discussão deve acontecer, mas a Premier League talvez tenha criado um problema para ela mesma.