Mourinho pode ser o melhor técnico da história do Chelsea, como ele mesmo diz, mas a fase é mesmo terrível. O sábado foi de mais uma derrota, a quinta em 10 jogos. O carrasco, desta vez, foi outro time londrino, o West Ham. Com direito a uma crueldade: Andy Carroll não marcava um gol há mais de nove meses pelos Hammers. Saiu do banco para marcar de cabeça e fazer 2 a 1 para o time da casa, placar que coloca o time, provisoriamente, no segundo lugar da Premier League.

LEIA TAMBÉM: Técnico do West Ham sai em defesa de Mourinho: “É a inveja que faz os críticos odiarem-no”

Mais uma vez, uma expulsão complicou um pouco a situação do time. Ainda no primeiro tempo, Matic recebeu segundo cartão amarelo e acabou expulso. Um exagero de Jonathan Moss, mas que custou caro ao time. Diante dos 34.977 torcedores no Boleyn Ground, o Chelsea sucumbiu mais uma vez. Mauro Zárate marcou o primeiro gol aos 17 minutos, quando o Chelsea já sentia o calor do estádio e do adversário.

O empate veio no segundo tempo em uma bola parada, aproveitada por Gary Cahill depois de um escanteio. Um empate que não fazia jus ao mau jogo do Chelsea. Willian, pela direita, foi quem mais tentou. Mais uma vez, foi o melhor jogador do time. Hazard, outra vez, foi apagado, assim como Fàbregas e Diego Costa.

O West Ham de Slaven Bilic, surpreendente neste início de temporada, pressionou muito no segundo tempo. Teve menos posse de bola (47,8% x 52,2%), mas chutou mais vezes a gol (12×8). E foi em uma pressão para dentro da área dos Blues que o gol saiu. Andy Carroll entrou no lugar de Mauro Zárate, aos 24 minutos, e acabou sendo decisivo.

Dez minutos depois de entrar em campo, Carroll acabaria marcando o gol. Aaron Cresswell recebeu na esquerda e levantou na área, onde a marcação do Chelsea errou e deixou o pequeno Azpilicueta marcando o centroavante. Ele subiu por cima do espanhol e cabeceou para as redes, marcando 2 a 1 e dando a vitória ao time. Fazia quase 10 meses que o jogador não marcava um gol. O último tinha sido no dia 25 de janeiro, contra o Bristol City, pela Copa da Inglaterra. Um jejum enorme.

Por mais que o Chelsea tenha crédito pelo bom campeonato que fez na temporada passada, já passou da hora de jogar um pouco mais. Há um problema no time, que não consegue se impor contra absolutamente ninguém. Essa é uma questão que Mourinho precisa resolver logo. Até porque a 15ª colocação na Premier League incomoda, e muito.