Depois de ficar encostado na Internazionale por problemas extracampo, Mauro Icardi foi emprestado por uma temporada ao Paris Saint-Germain e sabia que tinha um tempo limitado para provar seu valor e justificar uma possível permanência. Nada está definido ainda, mas, pelo ritmo das coisas, pode ser apenas questão de tempo para o clube francês se convencer completamente de sua contratação. Marco Verratti, pelo menos, parece ter visto o bastante.

Com o hat-trick no 6 a 1 sobre o Saint-Étienne na quarta-feira (8), seu primeiro com a camisa parisiense, Icardi chegou a 17 gols em 19 partidas na capital francesa. Na temporada passada, anotou 17 gols pela Inter em 37 partidas.

O feito é ainda mais impressionante quando se leva em conta que, ao todo, esses 17 gols vieram de apenas 24 finalizações ao alvo. Um matador no sentido clássico, ele tem impressionado mesmo aqueles que com ele convivem no dia a dia.

Em entrevista ao Canal+, o italiano Marco Verratti exaltou a facilidade com que o argentino balança a rede, sem precisar de muitos toques. “Ele nunca toca a bola, porque sabe que a bola irá encontrá-lo. E, com ela, ele vai marcar. Ele sempre se coloca disponível para receber a bola, é sua principal característica”, analisou.

O meia do PSG admitiu que o grupo não esperava que ele fosse se adaptar tão rapidamente, mas a surpresa é muito bem-vinda. “Não achávamos que ele poderia ir tão bem. Normalmente, é difícil se adaptar a uma nova equipe, mas ele é um jogador incrível, e esperamos que continue assim.”

Icardi, por sua parte, não poderia deixar mais clara qual a sua vontade para a continuidade de sua carreira. Questionado sobre uma possível permanência, revelou que ainda não teve discussões do tipo com o PSG.

“Eu me sinto muito bem em Paris. Não falei com o clube ainda, mas ainda temos quatro ou cinco meses de temporada restantes. Quando a temporada acabar em maio, sentaremos para conversar. Se eu tiver uma chance de permanecer, ficarei feliz.”

Inicialmente, Icardi não queria deixar a Inter. Teve problemas de bastidores ao perder a braçadeira de capitão e responder se recusando a viajar para a partida contra o Rapid Vienna, pela Liga Europa, em fevereiro de 2019. O clube o descartou de seus planos, mas, mesmo assim, o argentino seguia publicamente dizendo que pretendia continuar.

Por fim, acertou o empréstimo para o PSG, onde demonstra ter mantido seu faro de gols. Com 9 tentos em 11 jogos da Ligue 1, está em uma média confortável para repetir as campanhas de sucesso na Serie A, em que conseguiu mais de 22 gols em três das últimas cinco temporadas (22 em 2014/15, 24 em 2016/17 e 29 gols em 2017/18).