FAQ da MLS

Durante a última semana perguntei aos seguidores da Trivela no twitter se eles tinham alguma dúvida para que eu pudesse tentar clarear um pouco as dificuldades que as pessoas têm para acompanhar a Major League Soccer. O resultado disso está nessa coluna:

Por que os times da MLS funcionam no modelo de 'franquia' – como a NBA – e não como clubes? (Gabriel Santo – @carrascosanto)

Na prática, os clubes da MLS funcionam justamente iguais a outro em qualquer liga no mundo. Mas o modelo de franquia é interessante, já que os clubes não são apenas donos de si, mas também são sócios da liga. Muitos dizem que o modelo de franquia é algo que faz os clubes terem uma relação mais “fria” com os torcedores, mas existem alguns exemplos que mostram que não é bem assim. A franquia de um time na Philadelphia, o Union, só foi comprada e autorizada pela liga depois de um grande movimento de pessoas na cidade que gostavam do esporte.

Como funcionam as conferências? (Osmar Júnior – @obmjunior18)

Para tentar familiarizar melhor as pessoas que querem aprender sobre o esporte, a MLS usa o formato de conferências e playoffs para parecer com as grandes ligas americanas. Quando a liga tem número par de equipes, a distinção de conferências é apenas para estar nos moldes das ligas de esportes americanos. Mas neste ano a MLS tem 19 times, um número ímpar. São 10 clubes no Leste e 9 no Oeste. Então não dá para fazer um calendário de todos contra todos já que ficaria todo remendado. As equipes de uma conferência jogam mais contra as da mesma, até para tentar criar uma maior rivalidade.

Os clubes americanos têm interesse de unir a Concachampions com a Libertadores? (Eduardo Ales – @EduardoAlves_86)A ideia já foi discutida algumas vezes. Só que não compensa fazer como o México faz atualmente, de trazer certas equipes para jogar na Libertadores. Mas não funcionaria nem um pouco desta forma, com os times da América do Norte vindo como “forasteiros”. Sem contar que o gosto dos americanos pela competição continental, já que nenhum dos esportes característicos de lá mantém torneios oficiais com equipes de outros países.

Como funciona o limite de jogadores no plantel?  (Leandro Bitner – via facebook)
Atualmente, o máximo de jogadores que um time pode ter no plantel é 30. Desses 30, 20 deles tem que ser atletas dos quais o salário entre no teto salarial, que é de US$2.180 milhões por ano. Cada time pode ter três jogadores que recebem valores elevados e apenas US$350 mil entra nas contas do teto salarial.

As outras dez vagas devem ser ocupadas por jogadores vindos das categorias de base ou que são amparados pelo projeto Generation Adidas, que tira os jogadores da faculdade antes de sua graduação, mas contribuiu para que eles possam voltar à universidade nos tempos livres para terminar seu curso.

O Los Angeles Galaxy tem algo a mais além de Beckham e Donovan? (Matheus Silva – @mathsilva7)

 

De nomes conhecidos da maioria, o Galaxy ainda tem o atacante irlandês Robbie Keane. Mas o melhor jogador da equipe californiana após as três estrelas é o zagueiro Omar Gonzalez, eleito o melhor da posição na última temporada e integrante regular das convocações da seleção norte-americana. Inclusive, grande parte da má fase que o Galaxy vive esse se deve a ausência de Gonzalez, que rompeu um ligamento quando foi emprestado ao Nürnberg.

Você acha que teremos algum brasileiro que vai emplacar na MLS? (Marcelo de Senna [email protected])

Atualmente, a liga conta com 17 brasileiros. O nome mais comum entre os americanos é Juninho, volante emprestado pelo São Paulo ao Galaxy, foi um dos destaques do time da Califórnia na temporada passada. Até voltou ao São Paulo, mas não teve oportunidade e foi emprestado novamente ao Galaxy. Julio Cesar, zagueiro que chegou a passar pelo Real Madrid, é parte importante do Sporting Kansas City. E Edu, ex-Bétis, acabou de chegar à MLS e jogará no Colorado Rapids.

Qual é a média de público da MLS? (Lucas – via comentários da coluna)

A média geral de público da temporada 2011 foi de 17872 pessoas. A maior média foi do Seattle Sounders, com 38496 espectadores, que se tornou a maior média de público de um time na história da MLS. A menor foi do San Jose Earthquakes, com 11858, mas o clube jogava com arquibancadas cheias em praticamente todos os jogos, já que usava um estádio com capacidade baixa.

Obrigado a ajuda dos seguidores e espero que tenha contribuído para que algumas dúvidas sobre a MLS fossem sanadas. Sempre que quiserem perguntar algo é só me procurar pelo twitter (@matheus_rocha) ou mandar e-mail para [email protected]

Confira os resultados da 12ª semana da MLS:

New York Red Bulls 1×1 Chivas USA
NY: Kenny Cooper (56’) / CHV: Juan Pablo Angel (47’)

Seattle Sounders 0x2 Columbus Crew
CLB: Justin Meram (15’), Emilio Rentería (76’)

Chicago Fire 2×1 FC Dallas
CHI: Sebastián Grazzini (45’), Marco Pappa (63’) / DAL: Matt Hedges (41’)

Los Angeles Galaxy 2×3 San Jose Earthquakes
LA: Héctor Jimenez (3’), Mike Magee (73’) / SJ: Steven Lenhart (76’), Khari Stephenson (82’), Alan Gordon (94’)

Toronto FC 1×0 Philadelphia Union
TFC: Danny Koevermans (88’)

Columbus Crew 2×1 Chicago Fire
CLB: Eddie Gaven (9’), Emilio Rentería (43’) / CHI: Austin Berry (72’)

Real Salt Lake 3×2 FC Dallas
RSL: Alvaro Saborío (59’, 76’), Nat Borchers (93’) / DAL: Matt Hedges (75’), Blas Pérez (85’)

Colorado Rapids 3×2 Montréal Impact
COL: Jeff Larentowicz (18’), Drew Moor (39’), Jaime Castrillón (83’) / MON: Patrice Bernier (14’), Andew Wenger (48’)

Portland Timbers 1×1 Vancouver Whitecaps
POR: Kris Boyd (67’) / VAN: Darren Mattocks (84’)

D.C. United 3×2 New England Revolution
DC: Brandon McDonald (15’), Dejan Jakovic (45’), Maicon Santos (61’) / NE: Saer Sene (48’), A.J. Soares (50’)

Chivas USA 1×1 Seattle Sounders
CHV: Juan Agudelo (57’) / SEA: David Estrada (61’)

Houston Dynamo 2×1 Los Angeles Galaxy
HOU: Mike Magee (38’, contra), Andre Hainault (57’) / LA: Edson Buddle (10’)

Sporting Kansas City 2×1 San Jose Earthquakes
SKC: C.J. Sapong (5’), Kei Kamara (39’) / SJ: Simon Dawkins (72’)