A família Agnelli, dona da Juventus, doou € 10 milhões ao Departamento de Proteção Civil para lidar com a emergência nacional e à Fundação La Stampa – Speccio dei Tempi, que é comprometida em responder às necessidades de Turim e Piemonte (região onde fica a cidade). A ideia é dar mais recursos para combater o coronavírus. A doação foi feita pela Exor, empresa que controla, além da Juventus, a Fiat, CNH Industrial e Ferrari.

Com a doação da família Agnelli, foram comprados 150 respiradores do exterior para serem entregues em hospitais da área de Piemonte. Esta quantia é separada do montante que a Juventus está levantando para doação também para a emergência, em um financiamento coletivo. Esse dinheiro saiu direto da Exor, que tem a família Agnelli como dona.

Além da doação, a Exor, FCA, Ferrari e CNH Industrial também mantêm contato próximo com o Departamento de Proteção Civil, para fornecer ao país sem cobrar qualquer taxa de transporte para equipamentos médicos e material sanitário no exterior e com um acordo com a alfândega para rápida importação para dentro da Itália.

“A Europa está enfrentando seu maior desafio desta geração, o que impacta a sociedade em todos os níveis, incluindo futebol. O desafio para o nosso jogo é enorme, e como líderes, nós temos a responsabilidade para fazer tudo que nós podemos fazer para protegê-lo no longo prazo, mitigando os efeitos do vírus”, afirmou o presidente da Juventus, Andrea Agnelli.

“A decisão de hoje [adiamento da Eurocopa] testifica a união e colaboração de todos os participantes em se envolver de um processo de tomada de decisão, que há interesse no futebol primeiro”, disse ainda o dirigente.

“O objetivo agora será encontrar soluções para o fim da temporada 2019/20 de clubes da forma mais prática e, além disso, para garantir que o futebol, como a sociedade como um todo, volte ao seu estado e ritmo natural o mais rapidamente possível”, disse ainda o presidente da Juventus, que também representa a Associação Europeia de Clubes (ECA, da sigla em inglês).