Para quem viu os duelos entre Atlético de Madrid x Real Madrid na fase anterior da Copa do Rei, ou mesmo o confronto dos colchoneros com o Barcelona há duas semanas, ficou um gosto de decepção. Mesmo com os dois times titulares, blaugranas e rojiblancos mostraram muito pouco no primeiro duelo das quartas de final da Copa do Rei. Sobraram faltas e erros, com parcas oportunidades de gol criadas dos dois lados. No fim das contas, a ligeira superioridade do Barça pesou, mas com o tento de Messi anotado a partir de um pênalti: 1 a 0, que deixa a situação aberta para o reencontro no Camp Nou.

Neymar, Suárez e Messi não demonstraram desta vez as boas combinações do último jogo contra o Atleti. A defesa de Diego Simeone estava muito mais compacta desta vez, dando espaço apenas para chutes de média distância. Em uma dessas chances, Neymar parou em excelente defesa de Jan Oblak. Além disso, nas vezes em que os blaugranas conseguiram penetrar um pouco mais, Messi e Suárez erraram o alvo.

Do outro lado, o Atlético não conseguia encaixar os contra-ataques, enquanto os catalães se defendiam bem do forte jogo aéreo. Fernando Torres, tão decisivo contra o Real Madrid, desta vez pouco apareceu. Restou aos colchoneros se segurar um pouco mais na defesa e buscar o empate para a decisão no Calderón. E a equipe de Diego Simeone ia se dando bem até os 40 minutos do segundo tempo, quando Juanfran acertou a perna de Sergio Busquets e cometeu pênalti, apesar do exagero na reação do volante. Oblak espalmou a cobrança, mas Messi não perdoou no rebote e definiu o placar.

O resultado dá uma ligeira vantagem ao Barcelona, ainda mais pelo fato de que os gols fora de casa contam na Copa do Rei – e não ter sofrido nenhum serve de trunfo aos blaugranas. No Vicente Calderón, porém, o que se pode esperar é um Atlético mais agressivo. Primeiro pela qualidade do time de Diego Simeone nos mata-matas. E, depois, porque futebol foi o que mais esteve em falta no encontro desta quarta.