Tudo bem, não dá para negar que o nível técnico do futebol francês está abaixo de outros países europeus. Mesmo assim, dá aquele gosto ver Radamel Falcao García recuperando a sua fome de gols, depois de anos difíceis na Inglaterra. Que o nível técnico em sua passagem pela Premier League não tenha ajudado, suas condições físicas também não eram das melhores. E parecia faltar aquela confiança extra em campo, tão importante para qualquer goleador acreditar no lance. Algo que, em compensação, vem sobrando em seu retorno ao Monaco. Nesta sexta, El Tigre contribuiu para a classificação dos alvirrubros na Copa da França, vencendo o Ajaccio por 2 a 1. Melhorou ainda mais sua média de gols, que já tem sido estupenda.

VEJA TAMBÉM: Com um time jovem, Monaco tem o melhor ataque das cinco principais ligas europeias

O oportunismo de Falcao García é essencial neste recomeço. Boa parte de seus gols nesta nova fase saíram graças ao seu exímio posicionamento e à capacidade de mandar a bola para as redes com apenas um toque. Assim é que abriu o placar contra o Ajaccio, se antecipando à marcação para estufar as redes. Os visitantes empataram o jogo com Johan Cavalli, mas a vitória foi mesmo dos monegascos, graças ao tento decisivo de Valère Germain.

Até o momento, Falcao anotou 16 gols em 19 partidas disputadas na temporada. E isso porque sofreu uma concussão e uma lesão na coxa, que o privaram de 11 jogos em 2016/17. Olhando apenas para a média, este já é seu melhor desempenho desde 2010/11, quando levou o Porto às conquistas do Campeonato Português, da Taça de Portugal e da Liga Europa, com atuações excepcionais no torneio continental. Já em números absolutos, o colombiano não era tão implacável desde o seu segundo (e último ano) pelo Atlético de Madrid. E, levando em conta que ele anotou 34 tentos pelos colchoneros em 2012/13, mantendo o ritmo atual dá até para ultrapassar.

O técnico Leonardo Jardim tem papel fundamental na recuperação de Falcao García, ao resgatar sua confiança. O centroavante voltou e logo ganhou a braçadeira de capitão. Além disso, o Monaco possui boas opções para se alternar no centro do ataque com o colombiano, o que tira um pouco a responsabilidade como homem de referência e oferece liberdade na movimentação – de maneira parecida com a dupla feita ao lado de Diego Costa, em seu último ano no Vicente Calderón. Valère Germain e Guido Carrillo são, ao mesmo tempo, ótimas parcerias e ótimas alternativas.

Participativo, Falcao ainda tem, além dos 16 gols, mais três assistências na temporada. E pesa a precisão diante dos goleiros adversários. Levando em conta apenas os jogos pela Ligue 1, o artilheiro precisou de 28 finalizações para anotar os seus 11 gols. É o terceiro com melhor aproveitamento em chutes no alvo, considerando os atacantes com pelo menos 10 arremates. E, dentre aqueles com pelo menos cinco gols, é o terceiro que faz suas finalizações terminarem mais vezes nas redes, 39,2% no total – artilheiro do campeonato, Edinson Cavani tem aproveitamento de 27,8%, por exemplo. Faro de gol e precisão essenciais para o Monaco seguir pensando alto.

falco