Fàbregas revela ser amigo de Mourinho, mas que não conversa mais com Guardiola

Meio-campista jogou sob o comando de Guardiola no Barcelona e foi para o Chelsea chamado por Mourinho

Cesc Fàbregas foi bastante sincero ao responder sobre dois dos maiores técnicos do mundo, com quem teve o privilégio de trabalhar: José Mourinho e Pep Guardiola. O meio-campista jogou sob o comando de Guardiola por uma temporada, em 2011/12, até que o técnico deixasse o Camp Nou. Depois, em 2014, decidiu ir para o Chelsea justamente para jogar sob o comando de Mourinho. Em entrevista ao programa “Tot Costa”, ele deixou claro com quem ainda fala e com quem não tem exatamente um grande relacionamento.

[foo_related_posts]

O catalão, formado pelo Barcelona, saiu ainda adolescente da base blaugrana para o Arsenal, onde se consagrou nos oito anos que passou por lá. Depois, conseguiu o esperado retorno ao clube de coração, onde ficou três temporadas antes de voltar à Inglaterra, para jogar pelo Chelsea, onde ficou mais cinco anos. Com 33 anos, defende o Monaco desde 2019. Pelo Chelsea, foi campeão duas vezes: em 2014/15 e em 2016/17, já com Antonio Conte.

“Mourinho foi quem me inspirou a sair do Barça. Me disse tínhamos nos enfrentado quando ele estava no Chelsea e eu no Arsenal, e também quando treinava o Real Madrid e eu jogava pelo Barcelona, e que para ele tudo terminava ali e me contou do seu projeto. Priorizei o lado profissional e hoje em dia sigo escrevendo para ele e o considero um amigo, me ajudou muito no seu momento e com ele joguei uma das minhas melhores temporadas”, afirmou Cesc.

“Com Guardiola, não voltamos a nos falar. Há coisas que aconteceram que não tenho o que falar. Não sei se a decepção é mútua”, continuou o treinador. “Era meu ídolo de infância, talvez seja a pessoa de quem eu aprendi mais, como jogador, como ídolo e depois como treinador, e é isso”.

Fàbregas também comentou sobre a situação de Lionel Messi. “Não sei o que mais se pode pedir a Messi depois de tantos anos dando tanto. Você pode haver dado muito, mas no final só valorizam o último. Vi gente do clube que tentava causar mal, mas como culé, estou agradecido que siga no Barcelona. Se sente sozinho? Não acredito. Passei por muitos grupos e estou seguro que não está, ainda que seja certo que Luis [Suárez] era um apoio para ele”.

Com contrato até junho de 2022, Fàbregas tem sido um jogador bastante discreto. Até aqui, em 44 jogos, marcou um gol e fez três assistências. Tem atuado no centro do meio-campo e, nesta temporada, 2020/21, tem ficado ainda mais atrás como um volante à frente da zaga, que organiza o time.