As histórias mais incríveis dos 90 anos da FA Cup em Wembley

Primeira final da Copa da Inglaterra em Wembley aconteceu há 90 anos. Conheça as histórias mais sensacionais da competição mais antiga do mundo no célebre estádio

Se o Estádio de Wembley é considerado um dos maiores templos da história do futebol, esse rótulo se deve muito à Copa da Inglaterra. A competição foi fundamental para engrandecer o principal palco do futebol inglês. Uma história que completa 90 anos em 2013, mesmo que as torres gêmeas e outros traços famosos não estejam mais presentes no novo estádio, remodelado e inaugurado em 2007.

Erguido em exatos 300 dias, o antigo Wembley foi construído para servir de sede à Exibição do Império Britânico, evento realizado em 1924. Sua inauguração, entretanto, aconteceu em 28 de abril de 1923, apenas quatro dias depois da finalização das obras. Na ocasião, Bolton e West Ham fizeram a decisão da Copa da Inglaterra.

Sem imaginar a capacidade do evento, a Football Association não pediu ingressos para a entrada do público no estádio. Oficialmente, 126 mil espectadores lotaram Wembley. Porém, as estimativas extraoficiais calculam que 300 mil pessoas foram ao local naquele dia – cerca de 60 mil, tentando assistir ao jogo do lado de fora dos portões. Entre os ilustres presentes, o Rei Jorge V, então dono da coroa britânica.

A cena mais célebre daquela final aconteceu antes mesmo de a bola rolar. Devido à superlotação em Wembley, milhares de torcedores se abarrotavam dentro de campo. Para dar início à partida, o policial George Scorey, montado sobre o cavalo Billy, abriu espaço dentro de campo e conduziu os espectadores às linhas laterais. A cena acabou eternizando a partida como “White Horse Final” – a Final do Cavalo Branco.

Depois de 45 minutos de espera, a decisão teve início. Com o público se espremendo à beira do campo, contudo, a partida precisou ser interrompida uma vez e os jogadores não puderam ir aos vestiários durante o intervalo. Cerca de 900 torcedores se lesionaram durante o evento e 22 precisaram ser levados ao hospital.

David Jack foi o responsável pelo primeiro gol de Wembley, deixando o Bolton em vantagem logo aos dois minutos de jogo. Já o capitão Jack Smith sacramentou a vitória dos Whites por 2 a 0.  Ao apito final, Smith recebeu o troféu das mãos do Rei Jorge V. Depois da partida, os jogadores de ambas as equipes ainda jantaram com o primeiro ministro britânico, David Lloyd George, e receberam medalhas de ouro pela participação na final.

Neste sábado, Manchester City e Wigan decidirão o campeão da Copa da Inglaterra em Wembley mais uma vez. O estádio atual não comportará centenas de milhares de pessoas e nem mesmo um cavalo branco precisará entrar em campo para poder dar início à partida. De qualquer forma, a expectativa é por um grande jogo. Não apenas para fazer jus à campanha dos dois times, mas para honrar a história. Uma riquíssima ligação entre a competição de clubes mais antiga e um dos estádios de futebol mais famosos do mundo.

Dez grandes histórias da decisão da FA Cup em Wembley:

1926/27 – Pela primeira vez e única vez, um time de fora da Inglaterra foi campeão da competição. O Cardiff City bateu o Arsenal de Herbert Chapman por 1 a 0, graças a um frango do goleiro Dan Lewis – que culpou o material da camisa pela falha. Foi a primeira decisão transmitida no rádio, pela BBC.

1932/33 – O primeiro jogo competitivo da história no qual os jogadores utilizaram números nas camisas. Os atletas do Everton se alinharam de 1 a 11 às costas, enquanto o Manchester City usou os uniformes de 12 a 22. Melhor para os Toffees, que ficaram na frente também no placar, com vitória por 3 a 0 – gols de Jimmy Stein, Dixie Dean e James Dunn.

1952/53 – O jogo da vida de Sir Stanley Matthews, lendário ponta direita da seleção inglesa. O camisa 7 teve uma atuação magistral na vitória por 4 a 3 do Blackpool sobre o Bolton, que também contou com um hat-trick de Stan Mortensen. Na “Matthews Final”, o atacante deu passes para dois dos três gols marcados por seu time nos 20 minutos finais, possibilitando a virada incrível dos Tangerines.

1955/56 – O grande personagem do jogo foi Bert Trautmann, alemão que foi prisioneiro de guerra após a Segunda Guerra Mundial, antes de se tornar jogador do Manchester City. A 17 minutos do fim da decisão, o goleiro se chocou com um adversário e ficou inconsciente. Após o atendimento, Trautmann se manteve em campo e assegurou a vitória por 3 a 1 sobre o Birmingham. Exames posteriores mostraram que o alemão fraturou uma vértebra do pescoço.

1972/73 – O Sunderland foi uma das maiores zebras da FA Cup. Militando na segunda divisão inglesa, os Black Cats superaram o poderoso Leeds United, treinado por Don Revie.  A vitória por 1 a 0 foi garantida graças ao goleiro Jimmy Montgomery, que realizou na final aquela que é considerada uma das maiores defesas da história do futebol inglês [a partir de 1:30 no vídeo].

1979/80 – O West Ham foi o último time a conquistar a Copa da Inglaterra sem estar na primeira divisão do Campeonato Inglês. Os Hammers superaram o Arsenal, então atual vencedor da competição, na decisão. O gol da vitória por 1 a 0 foi anotado por Trevor Brooking, considerado uma das maiores lendas do clube.

1987/88 – Apelidado de “Crazy Gang” pelas maluquices de seus jogadores e pelo estilo violento de jogo, o Wimbledon surpreendeu o Liverpool na decisão. O maior momento da história dos Dons veio com o triunfo por 1 a 0 sobre os Reds, com o capitão Dave Beasant se eternizando como o primeiro goleiro a defender um pênalti em uma final de FA Cup.

1988/89 – Marcado pelo desastre de Hillsborough, ocorrido nas semifinais da Copa da Inglaterra, o Liverpool dedicou o título às 96 vítimas. Os Reds venceram o dérbi contra o Everton por 3 a 2 – depois de cederem o empate nos instantes finais do tempo regulamentar, asseguraram o título graças a dois gols de Ian Rush na prorrogação.

1989/90 – Aquele que é considerado como o título que salvou a pele de Sir Alex Ferguson no Manchester United. Depois de três temporadas em jejum no comando dos Red Devils, o escocês comemorou sua primeira taça apenas no replay da final com o Crystal Palace. Depois do empate por 3 a 3, o United venceu o reencontro por 1 a 0, gol de Lee Martin.

2011/12 – A última final da Copa da Inglaterra foi marcada pelos recordes do Chelsea, que derrotou o Liverpool por 2 a 1 na decisão. Ashley Cole se tornou o primeiro jogador a conquistar o torneio cinco vezes, Didier Drogba foi o primeiro a marcar gols em quatro finais e John Terry foi o primeiro capitão a levantar a taça quatro vezes pelo mesmo time.