Extremos: a força coletiva do Bayern e o monopólio no PSG

Contra o Plzen, 12 dos 14 jogadores do Bayern chutaram a gol. Enquanto isso, 71% das finalizações do PSG ante o Anderlecht foram feitas por Ibrahimovic

Dois jogos, dez gols. Bayern Munique e Paris Saint-Germain foram responsáveis pelos dois maiores massacres da rodada na Liga dos Campeões. Os bávaros enfiaram 5 a 0 sobre o Viktoria Plzen na Allianz Arena, enquanto os parisienses repetiram a dose sobre o Anderlecht em Bruxelas. Placares iguais, mas de maneiras bastante distintas de explodir o adversário. O time de Pep Guardiola goleou graças o show coletivo de seus comandados, ao contrário do solo de Zlatan Ibrahimovic.

Os números ajudam bastante a ressaltar essa diferença. O Bayern deu impressionantes 35 chutes contra o gol do Plzen, um a cada 2,7 minutos. Mais da metade deles (18) foram direcionados no alvo, exigindo 13 defesas do goleiro Matús Kozácik. Uma eficiência partilhada por vários jogadores da equipe. Ninguém finalizou mais do que cinco vezes – Arjen Robben e Toni Kroos foram os líderes. Além disso, 12 dos 14 jogadores que estiveram em campo pelos bávaros arremataram no jogo. Manuel Neuer e Diego Contento foram as exceções. Ao mesmo tempo, nove deles deram passes para finalização.

Já na partida do Paris Saint-Germain, o ataque da equipe foi monopolizado por Ibrahimovic. Os quatro gols vieram graças à insistência do sueco. Dos 14 chutes do time, 10 foram efetuados pelo artilheiro, que ainda deu o passe para um dos arremates restantes de seu time. E a precisão de Ibra foi imensa, já que 80% de suas jogadas foram em direção à meta de Thomas Kaminski. Não à toa, o camisa 10 foi o craque da rodada.

O bombardeio do Bayern e de Ibrahimovic na rodada (Fonte: Squawka)
O bombardeio do Bayern e de Ibrahimovic na rodada (Fonte: Squawka). CLIQUE PARA AMPLIAR