Experiência, time ofensivo e destemido: León volta ao topo

Mesclando experiência e entrosamento, León supera atual campeão América e conquista seu sexto título nacional depois de duas décadas de espera

Foram 21 anos com o rugido preso na garganta. Dez deles afastados até mesmo de qualquer possibilidade de título. Mas a espera inquietante, cercada pelo receio de perder seu posto entre os grandes do futebol mexicano, chegou ao fim. No último domingo, menos de duas temporadas após retornar ao topo do futebol azteca, o Club León garantiu sua sexta da taça da Liga MX.

E para não deixar dúvidas, a conquista veio sobre o atual campeão e dono do elenco mais forte e caro do país, fornecedor de boa parte da base e do técnico da seleção mexicana. E veio de forma categórica, com dois triunfos na decisão que mantiveram a série de invencibilidade leonina de quase dois meses e 15 partidas.

Mesmo em um estádio Azteca lotado por torcedores Canários, o León tirou proveito da vantagem adquirida com o triunfo na primeira partida. Podendo até mesmo perder por um gol de diferença para ficar com o título, os Panzas Verdes saíram na frente, sofreram o empate e mesmo acuados pelos donos da casa tomaram a dianteira novamente no placar e ainda contaram com o auxílio providencial do veterano zagueiro “Maza” Rodríguez, expulso logo após o gol Esmeralda, facilitando a definição do placar ainda na metade da segunda etapa.

Os 3 a 1 marcaram não apenas o único revés do América atuando em casa durante todo o Apertura, mas deixaram claro a forma como o León demonstrou aprender com os erros que o tiraram da decisão de um ano antes. Tranquilidade, segurança, jogo compacto e coletivo foram as marcas do time durante a Liguilla. E as mãos do técnico Gustavo Matosas tornaram nítidas essas mudanças.

Ex-jogador comandado por Telê Santana no São Paulo da década de 1990, o uruguaio nunca negou a vocação ofensiva de seus times, como ficou claro nos 62 marcados em 21 partidas pelo Danubio bicampeão uruguaio em 2006/07. Mas o jovem treinador notou rapidamente que a volúpia ofensiva do melhor ataque do Apertura 2012, aliada à falta de segurança na retaguarda e à inexperiência de um elenco com potencial, mas sem grande rodagem, seriam os pontos a serem melhorados para pôr fim à seca.

As chegadas de Rafa Márquez, Franco Arizala e Mauro Boselli foram essenciais para sanar esses problemas. A adição de uma referência experiente a cada um dos setores que já contavam com nomes promissores deu segurança, estabilidade e equilíbrio e um elenco entrosado. O clube de Guanajuato esteve entre os quatro primeiros colocados em 16 das 17 rodadas disputadas na primeira fase, garantindo uma classificação tranquila e passeando em seus duelos no mata-mata. Os contundentes 4 a 0 sobre o Morelia e 3 a 1 sobre Santos e América foram o ápice da performance do time em 2013, justamente no momento mais decisivo do campeonato.

A conquista também isolou a Fiera como o sexto maior vencedor da história da Primera División, com apenas um título a menos que o Pumas e dois atrás do Cruz Azul, o que, a julgar pela péssima fase de ambos, não torna improvável imaginar um futuro próximo com Esmeraldas brigando entre os maiores do país. Os desafios serão ainda maiores no próximo ano. Além de defender o título nacional, os Panzas terão de fazer melhor em suas jornadas internacionais, voltando à disputa da Concachampions depois de 20 anos e tentando se redimir pela vexatória eliminação já na Pré-Libertadores em 2013. Nada mal para um clube que há menos de cinco anos, afundado em dívidas e na Liga de Ascenso, esteve próximo de ser vendido, mas que atualmente ruge como poucos no futebol azteca.

Curtas

Costa Rica

– Com um gol solitário do capitão Porfirio Lopez , a Alajuelense devolveu o placar da partida de ida e, por ter melhor campanha na primeira fase, eliminou o rival Saprissa e ficou com a vaga na decisão do Campeonato de Invierno, em busca de sua 29ª taça da Primera División. Seu adversário será o rival Herediano, que tenta o bicampeonato nacional;

Guatemala

– Após perder a primeira partida da decisão do Clausura por 2×0, o Comunicaciones deu o troco no duelo de volta, bateu o Heredia por 3×1 de virada, com gol salvador do veterano atacante uruguaio Paolo Suárez aos 43 da segunda etapa e, nos pênaltis, levantou o tricampeonato e sua 27ª taça da Liga Nacional, diminuindo para apenas duas conquistas a diferença para o arquirrival Municipal;

El Salvador

– Mesmo jogando com a torcida contra no estádio Cuscatlán, o Isidro Metapán contou com um gol do meia Andrés Flores para superar o rival FAS no Derbi Santaneco e alcançar seu oitavo título da Liga Mayor, sete deles conquistados nos últimos 11 torneios disputados. O revés na inédita final marcou também o quinto ano consecutivo sem taças nacionais pelo lado dos Tigres, maior vencedor da história da competição;

Honduras

– Depois de quase entregar o título do Apertura para o Real Sociedad, desperdiçando a boa vantagem conquistada na partida de ida com um gol sofrido nos acréscimos do jogo decisivo, o Real España, treinado pelo ídolo costarriquenho Hernán Medford, bateu o clube de Tocoa nos pênaltis e levantou seu 11º título da Liga Nacional;

Jamaica

– Com um triunfo sobre o Boys’ Town, o Harbour View ampliou sua vantagem na liderança da National Premier League, com 26 pontos em 12 jogos, aproveitando o tropeço do Montego Bay, que ficou no empate sem gols contra o Waterhouse e soma 22. Já o Tivoli Gardens bateu o August Town fora de casa e reassumiu o terceiro lugar, com 18 pontos, ao lado de Waterhouse e Rivoli United, enquanto o Portmore United conseguiu sua segunda vitória na competição, superando o Sporting Central, mas segue na lanterna, com 10 pontos;

Trinidad & Tobago

– Com a próxima rodada sendo disputada apenas nessa semana, a TT Pro League segue dominada pelo W Connection que soma 18 pontos em 6 partidas e 100% de aproveitamento, abrindo oito de vantagem para North East Star e Police. Atual campeão, o Defence Force é o quarto, com 9 pontos, ao lado do Point Fortin Civic.