Em um passado nem tão longínquo, jogar games como Elifoot ou as versões mais primitivas de Championship Manager era visto como perda de tempo, por fugir dos paradigmas de um jogo habitual do desporto bretão, como FIFA e Pro Evolution Soccer. Tanto que, se formos analisar historicamente os jogos onde você comanda a equipe do banco de reservas, eles nunca tiveram grande resposta no meio console. No entanto, estes se notabilizaram essencialmente nos PCs, e chegaram a seu ápice a partir do meio da década, quando Football Manager surgiu e se tornou a segunda franquia mais vendida da história, atrás apenas de The Sims. Até por isso, dando continuidade às avaliações sobre o que se pode esperar da próxima geração do futebol virtual, não se pode deixar de lado FM 2010.

Boa nova para novatos

Um dos desejos da Sports Interactive para essa edição vai de acordo com algo que essa coluna comentou há um tempo. Trata justamente de uma tentativa em tornar o jogo mais “acessível” a iniciantes. Quem joga FM desde sua primeira versão ou pegou o fim da era CM quando este ainda era produzido pela SI, em parceria com a Eidos, hoje não encontra maiores dificuldades para tocar o game. No entanto, a acessibilidade para novatos era consideravelmente complicada, pela quantidade de itens espalhados pelos menus. E é muito comum que, ao se demorar para entender um game, por mais que sua experiência de jogo seja sensacional, o cara desiste de tentar.

Curioso ver, por exemplo, que embora não pareça, Football Manager se encaixava no hall dos chamados jogos “hardcore”, voltados ao público mais aficionado, enquanto os tradicionais FIFA e PES são “mainstream”, mais próximos do público mais casual. A SI sabe que manter o desafio e a aproximação cada vez maior da realidade que vem fazendo jogo a jogo é de extrema importância para garantir o sucesso da série, e, ao menos aparentemente, dá sinais, em sua versão 2010, que busca angariar ainda mais novos jogadores. Ao todo, o game conta com quatro novidades fortes, sendo a primeira delas, uma nova “capa” para o menu do treinador, ou um “sistema intuitivo, no topo da tela, para que a navegação seja mais fácil e o game, mais acessível a novos jogadores”, como descreve a própria Sports Interactive.

Deixar as opções na parte de cima foi interessante por assemelhar a interface a de um computador “usual”, onde os itens (Arquivo, Editar, Exibir, etc) se localizam. Didático demais? Não nos esqueçamos que, hoje, vivemos a era dos jogadores casuais, e tudo que for em prol desse público será usado pela maioria dos games atuais, tenham certeza. Além disso, a disposição das informações no menu está mais clara e limpa que em versões anteriores, até em se considerando a quantidade de dados espalhados. Tanto que os desenvolvedores classificaram o novo FM em uma palavra: “polish”, ou “polido”, elegante. Ou seja: se alguém chegou a desistir de FM por achá-lo “confuso”, boa hora para tentar de novo.

Realidade aprimorada

Se a primeira das quatro principais novidades é positiva a novatos, as demais tendem a ser muito bem recebidas pelos mais jogadores inveterados. Primeiramente, os jogos, que desde FM 2009 podiam ser acompanhados em um campo 3D — que, até por ser a primeira tentativa, tinha defeitos na forma como determinadas jogadas ocorriam —, ganharam um desenho ainda melhor, mais bem detalhado. Os traços, que se assemelhavam ao de jogos para PC do meio dos anos 90, estão fortalecidos, bem como a “cara” do estádio, que está com uma aparência infinitamente mais real — tem até uma torcida que não necessariamente lota o estádio! A SI, aliás, liberou um vídeo com imagens de como está esse novo visual do campo 3D. Clique aqui para ver.

A terceira novidade é um Criador de Táticas que permitirá, literalmente, que o time jogue como você quiser. Isso, conforme os desenvolvedores, foi desenvolvido a partir de uma análise feita com treinadores “de verdade” e outros “virtuais”, mas com fórmulas quase infalíveis para FM. O controlador também vai poder determinar uma função específica para cada um dos titulares (marcador mais rígido, distribuidor, pivô, etc.). Além disso, durante os jogos, essas táticas podem ser modificadas com os famosos “gritos” na beira do gramado, num formato semelhante ao que se notabilizou em LMA Manager. Por fim, ao estilo Footstats, o técnico terá um relato completo dos passes, chutes e lançamentos, além de outros dados, dos jogadores para poder efetuar novas mudanças.

A última das alterações é para aqueles que não aguentam mais os mesmos campeonatos. Saudades da extinta Rio-São Paulo? Ou interessado em criar uma Copa Rio Grande Sul-Amapá, unido os extremos do país? Pois é, isso será possível nessa nova versão, devido a um Editor de Competições. O sistema, que pode ser localizado no Editor do jogo, permite que o usuário invente novos torneios ou até adicione divisões às ligas existentes (por que não uma Série E ou F?). De todas, essa, talvez, seja a mais curiosa, e que promete encher de inspiração os especialistas em LLM, ou Lower League Management. Para quem não conhece, é um “movimento”, por assim dizer, de manager gamers que consiste em se escolher um time pequeno e levá-lo às glórias. Que tal começar na sexta divisão brasileira?

É evidente que um dos problemas mais latentes de FM, que são os muitos bugs em suas versões iniciais, ou seja, sem patch, tendem a se repetir. Os próprios produtores confessaram que, nos últimos anos, houve certa desorganização da SI com relação a isso, resumidamente devido às diferentes maneiras como os desenvolvedores utilizavam os programas para fazer o game. Outra questão assumida como “explicação” é a enorme base de dados constituída ao longo dos últimos anos, ou desde que a série FM foi para as lojas, em 2005.

Conseguiu-se, de acordo com os produtores, dividir a database para que seja mais bem avaliada, embora esses efeitos só devam ser mais vistos em 2011. O que significa que, talvez até o fim do ano, já teremos algum patch de correção disponível na internet, visto que, da própria SI, não se espera a solução dos bugs para já. De qualquer maneira, as expectativas para FM 2010 são gigantescas, pois se pode estar frente a frente com o game de futebol mais realista já feito, até se comparável a FIFA e PES.

Dia 30 de outubro está chegando, e com ele, Football Manager 2010. Vale lembrar, ainda, que o jogo também será vendido para Playstation Portable (PSP), com a alcunha de Football Manager Handheld 2010. E mantendo a linha “manager”, na próxima coluna, um levantamento dos “craques” da era CM-FM e como estão na vida real.