Nos anos 1980, o Uruguai estava entre as seleções mais fortes da América do Sul. A Copa América de 1987 foi vencida pela seleção charrúa, em um torneio disputado na Argentina. Jorge Seré, então com 25 anos, era um dos goleiros do time. Foi reserva de Eduardo Pereira. Na época, ainda defendia o Danúbio. Em 1988, foi para o Nacional, onde conquistaria glórias ainda maiores. Ganhou a Copa Libertadores em 1988 e o Mundial daquele ano, sendo decisivo. Aos 58 anos, o goleiro decidiu leiloar duas de suas medalhas mais importantes, da Copa América e da Libertadores, em prol de levantar fundos para combater o coronavírus no Uruguai.

O ex-camisa 1 do Nacional colocará as duas medalhas em um leilão o lucro destinado ao Fundo Coronavírus, criado pelo governo do presidente Lacalle Pou. Políticos do país aceitaram reduzir seu salário para destinar parte ao fundo, além da doação de empresários e ações de jogadores e ex-jogadores, como Seré. Com isso, o fundo espera levantar recursos para combater melhor a ameaça da COVID-19, causada pelo novo coronavírus e que se tornou uma pandemia.

“A iniciativa foi espontânea e ponto. Não sou herói e nem nada, heróis são os tipos que hoje estão trabalhando para que todos nós não nos contagiemos e que os contagiados possam melhorar”, disse o ex-jogador.

Jorge Seré, goleiro do Nacional (Reprodução)

Seré foi titular do Nacional ao longo da campanha da Libertadores, que culminou com o título diante do Newell’s Old Boys, em uma final no estádio Centenário que venceu por 3 a 0 (depois de perder por 1 a 0 o jogo de ida). No final do ano, o clube uruguaio foi para o Mundial Interclubes e enfrentou o campeão europeu daquele ano, o PSV. E a decisão, no Estádio Nacional, em Tóquio, foi um sufoco.

O PSV era dirigido por Guus Hiddink e tinha no elenco jogadores como Ronald Koeman e Romário – que seriam companheiros de Barcelona tempos depois. No tempo normal, gols de Santiago Ostolaza e o empate com Romário. Na prorrogação, Ronald Koeman marcou, de pênalti. Só que a um minuto do fim, aos 14 minutos do segundo tempo da prorrogação, Ostolaza marcou mais um e igualou o marcador. Assim, a decisão foi para os pênaltis.

Foi na disputa de pênaltis que o goleiro Jorge Seré se consagrou. A disputa foi muito acirrada. Foram 10 cobranças de pênalti para cada lado até que houve a definição. Seré defendeu três cobranças do time holandês. Assim, foi crucial para a consagração do Bolso como campeão mundial. E escreveu seu nome na história de um gigante da América do Sul.

A doação do ex-goleiro aconteceu em um programa de TV do Uruguai, El Diario del Lunes. Nas redes sociais, torcedores pedem que o Nacional compre as medalhas para colocar no museu do clube. Atualmente, Seré é comentarista na TV uruguaia.