Everton Ribeiro é um dos jogadores mais importantes do Flamengo, mas sem a badalação de outros companheiros. Com um futebol silencioso e eficaz, o capitão brilha principalmente na construção das jogadas. Nesta quarta-feira, todavia, o time de Jorge Jesus dependeu do poder de definição de seu camisa 7 para estrear com vitória na fase de grupos da Copa Libertadores. Dentro do Estádio Metropolitano Roberto Meléndez, o Fla até abriu o placar rapidamente, mas corria riscos contra o Junior de Barranquilla e sofria com o jogo duro imposto pelos colombianos. O triunfo por 2 a 1 se destravou apenas com a decisiva participação de Everton Ribeiro, autor de ambos os gols dos cariocas na noite. Diego Alves foi outro a salvar, em uma atuação mais truncada dos flamenguistas.

Diante dos desfalques, o Flamengo precisou aproveitar o seu elenco em Barranquilla. João Lucas, Thiago Maia e Vitinho estavam entre as novidades no 11 inicial utilizado por Jorge Jesus. E não foram as ausências que impediram os rubro-negros de começarem a partida bem mais acesos. Pressionando, o Fla criou as duas primeiras chances com Arrascaeta e Everton Ribeiro, até abrir o placar aos cinco minutos. Lançado por Vitinho, Arrascaeta fez ótima jogada pela esquerda e rolou a bola para o meio da área. O passe chegou livre para Everton Ribeiro, que completou de chapa às redes, no cantinho do goleiro Sebastián Viera.

O bom momento do Flamengo não se manteve por tanto tempo. Aos poucos, os rubro-negros passaram a entrar na pilha do Junior e a partida ficou nervosa, com muitas entradas duras. A equipe de Jorge Jesus tinha mais dificuldades para construir suas jogadas, forçando demais as ligações diretas, enquanto os Tiburones adiantaram sua marcação e impuseram a força física. Os colombianos, no entanto, também não criavam muito perigo no ataque. A primeira finalização só veio aos 23 minutos, com Miguel Borja, mas Diego Alves realizou a defesa com segurança.

A arbitragem era permissiva. Em uma disputa na lateral, Téo Gutiérrez chegou com o cotovelo na altura do rosto de Filipe Luis e sequer tomou o amarelo. Depois, o defensor revidou com uma entrada em Marlon Piedrahita e ganhou o cartão. O Flamengo perdeu a concentração e se via travado pela defesa colombiana. Já do outro lado, quase Gérson entregou o ouro para o Junior aos 44. Num passe errado do meio-campista, Borja dividiu a bola e Téo Gutiérrez recebeu sozinho na área. O veterano tinha todo o tempo para definir, mas bateu mal e facilitou a defesa de Diego Alves. Diante do erro, o Fla seguiu aliviado para o intervalo.

O Flamengo voltou ao segundo tempo mais ligado. Gabigol conseguia escapar da marcação e criou duas boas chances nos primeiros minutos, antes que Thiago Maia também assustasse após cobrança de escanteio. Porém, Diego Alves precisou aparecer pouco depois. Aos 13, Téo Gutiérrez acertou um bonito chute dentro da área e exigiu grande defesa do goleiro. Os rubro-negros seguiam no limite e Jorge Jesus não demorou a fazer sua primeira substituição, apostando em Michael no lugar de Arrascaeta. Tentava dar mais velocidade aos contragolpes.

O Junior voltou a crescer na partida e tinha mais posse de bola, apostando nos cruzamentos. A zaga do Flamengo encontrava dificuldades para afastar o perigo e passou a ser incomodada por Edwin Cetré, que quase empatou aos 18. Quando Gabigol tentou responder na sequência, em uma arrancada pelo meio, viu Gabriel Fuentes travar no momento exato. Faltava um pouco mais de calma às duas equipes, que não conseguiam trabalhar tanto as suas jogadas e seguiam exagerando nas entradas mais fortes.

O Flamengo só respirou aliviado a partir dos 30 minutos, quando as arrancadas de Michael passaram a funcionar. Na primeira jogada, em uma tabela com Gabigol, o ponta acabou travado pelo goleiro Viera. Já aos 33, o segundo gol saiu aos rubro-negros. Gabigol fez o papel de armador e lançou Michael em profundidade. O substituto avançou em velocidade pela direita e passou a Everton Ribeiro no meio da área. Então, o capitão teve muita calma na conclusão do lance, ao dar um leve toque na saída de Viera. Tranquilizou aos cariocas.

O Junior até assustou pouco depois, em arremate de Carmelo Valencia que saiu com muito perigo. Os colombianos seguiram insistindo e forçavam a defesa do Flamengo, um pouco mais relaxada pela vantagem ampla. Diego Alves voltou a trabalhar nos acréscimos, impedindo um cruzamento na pequena área. Já no último minuto, os Tiburones conseguiram descontar, a partir de uma cobrança de falta na intermediária. Após o desvio no meio do caminho, Téo Gutiérrez se esticou para completar às redes. Ao menos, não impediu a vitória do Fla.

Com os três pontos, o Flamengo abre o Grupo A da Libertadores emparelhado ao Independiente del Valle. Os equatorianos também estrearam com vitória fora de casa, batendo o Barcelona de Guayaquil por 3 a 0 dentro do Estádio Monumental. Neste momento, o clube de Sangolquí parece o mais preparado para lutar com os rubro-negros pela classificação aos mata-matas. Já na próxima rodada, o Fla disputa seu primeiro jogo no Maracanã, tentando ampliar a pontuação contra o Barcelona.