Eurocopa

Um mapa fantástico com o local de nascimento de todos os jogadores convocados à Euro 2016

Vocês já sabem como a gente aqui na Trivela adora mapas. E poucos são tão geniais quanto este, sobre a Euro 2016. Infelizmente, o autor da obra-prima não se identificou. Mas ele teve o trabalho de apontar o local de nascimento de cada um dos 552 jogadores convocados para competição europeia. Um cenário que retrata bastante coisa sobre as 24 seleções, bem como sobre geopolítica.

Muitos elencos se desdobram além dos territórios. É o caso de França, Portugal e Bélgica, buscando talentos em outros continentes, algo que enfatiza o passado colonialista. Os fluxos migratórios também se caracterizam bastante. A Turquia tem parte considerável de seus atletas nascidos na Europa Central, reflexo daqueles que saíram em busca de oportunidades de emprego. O mesmo acontece na Albânia e na Croácia, de refugiados por causa dos conflitos nos Bálcãs. Por outro lado, a Suíça se descentraliza justamente por ter recebido tantos imigrantes e ter oferecido novas oportunidades de vida – em menor escala, também Alemanha, Áustria e Suécia.

Entre os países que se desmembraram, é possível notar como o conceito de nacionalidade não se limita às fronteiras. Na Cortina de Ferro, acontece com os antigos soviéticos, os antigos tchecoslovacos e (principalmente) os antigos iugoslavos. E, dentro da Irlanda, é interessante notar a separação feita ao norte, pelo Rio Foyle, em área historicamente dividida. Já no Reino Unido, as demais seleções se difundem sobre o centro econômico e futebolístico. Há diversos galeses e norte-irlandeses nascidos na Inglaterra – além dos irlandeses.

A partir do mapa, dá para tirar outras tantas noções e percepções. Fique à vontade para se divertir e para aprender. Aproximando, é possível diferenciar os jogadores. Além disso, clicando no balão, dá para conferir a ficha de cada um.

Mostrar mais

Leandro Stein

É completamente viciado em futebol, e não só no que acontece no limite das quatro linhas. Sua paixão é justamente sobre como um mero jogo tem tanta capacidade de transformar a sociedade. Formado pela USP, também foi editor do Olheiros e redator da revista Invicto, além de colaborar com diversas revistas. Escreve na Trivela desde abril de 2010 e faz parte da redação fixa desde setembro de 2011.

Conteúdos relacionados

Botão Voltar ao topo